Funcionário de uma fazenda localizada no município de Paraíso das Águas, a 277 quilômetros da Capital, foi encontrado na manhã desta quarta-feira (4) após ficar cinco dias desaparecido. Ele afirmou que viu dois homens desconhecidos chegarem ao local, e decidiu fugir, pois o capataz havia viajado e ele estava sozinho na propriedade.

O patrão da vítima chegou a registrar boletim de ocorrência de desaparecimento ainda nessa terça-feira (3), na delegacia de Camapuã. Segundo ele, a fazenda em que trabalham está localizada a 115 quilômetros de Camapuã, no município de Paraíso das Águas, e o gerente havia falado pela última vez com a vítima na sexta-feira (30).

Entretanto, no sábado (31) o gerente não conseguiu mais contato com a vítima, e estranhou, pois, segundo ele, isso nunca havia acontecido antes. Ele ainda relatou na delegacia que a vítima não tinha inimizades e que nunca tinha visto ele consumindo bebidas alcoólicas desde que entrou na fazenda, há dois meses.

Na tarde de segunda-feira (2), o gerente da fazenda pediu ajuda a um vizinho para localizar a vítima, além de ter encontrado as vacas apartadas – os bezerros separados das mães, que geralmente é feito um dia antes de tirar leite – e os pertences da vítima arrumados no quarto.

Nessa terça-feira (3), os irmãos da vítima chegaram na fazenda para ajudar nas buscas, além de terem acionado uma equipe de resgate com cães do Corpo de Bombeiros de Campo Grande. Segundo os irmãos, a vítima já tinha feito tratamento com medicação controlada anteriormente.

A vítima foi encontrada a cerca de 10 km da fazenda, após ficar abrigado em uma área de mata fechada, na manhã desta quarta-feira (4), e estava debilitado. “Procuramos por dois dias e hoje de manhã ele apareceu, mas não estava falando coisa com coisa. Ele disse que apareceram dois homens estranhos na fazenda e ele resolveu fugir”, afirmou uma das irmãs ao Jornal Midiamax.

Ainda conforme a família, a vítima fazia tratamento, pois tinha lapsos de memória e tomava medicações para dormir. “Achamos ele desorientado na estrada, ele disse que andou esses dias todos. Ele trabalhava como ajudante na fazenda e o capataz viajou, então ele ficou sozinho”, afirma a irmã.