O ex-sargento da de Mato Grosso do Sul, César Diniz da Silva, 45, teve o pedido de liberdade domiciliar negado pela Justiça. O ex-sargento foi condenado a 16 anos e 9 meses de reclusão em regime fechado, por homicídio qualificado, em outubro de 2021 durante julgamento ocorrido na 2ª Vara do Tribunal do por ter matado o tenente João Miguel Além Rocha, de 50 anos.

O crime aconteceu devido a um desacerto em uma negociação de um carro, na frente de uma oficina no Nova Lima no dia 1º de julho de 2017. Em junho de 2019, César Diniz da Silva foi expulso da Polícia Militar.

Relembre o caso

Diniz foi apontado como responsável pelos disparos que mataram o tenente aposentado, João Miguel Além Rocha. Na ocasião, um jovem de 18 anos também ficou ferido. Conforme o registro policial feito à época, a discussão entre os dois militares teria começado com a negociação de venda de um Nissan Sentra.

A vítima teria trocado o veículo por um terreno com um conhecido, mas o comprador não realizou o pagamento. Em vez disso, o homem revendeu o carro para Diniz. Na oficina onde ocorreu o crime, João teria impedido Diniz de levar o carro, quando os dois iniciaram a discussão e trocaram tiros.

O tenente morreu no local, com quatro disparos. O jovem que passava pela rua tentou apaziguar a situação, mas acabou ferido e fugiu, correndo. Para a Polícia Civil, Diniz confessou o crime.