Chorando muito, a irmã de Claudineia Brito da Silva falou com o Jornal Midiamax sobre o julgamento de Hércules José Andrade, que no dia 13 de janeiro deste ano matou a companheira com golpes de faca no pescoço.

Maria de Lourdes Brito disse ao Midiamax que espera por Justiça pela irmã, que segundo ela, sempre estava de prontidão para ajudar quem precisasse. “Era uma pessoa muito boa, e foi uma crueldade o que ele fez com ela”, disse Maria aos prantos. A irmã falou que perdoou Hércules, mas que espera pela Justiça dos homens, já que a Justiça de Deus será feita. 

Segundo Maria, o relacionamento de Claudineia era conturbado, mas ela sempre ajudava o companheiro, e por isso, não entendem o que ele fez. “Maldade”, afirmou a irmã. Ainda segundo Maria, outro irmão morreu assassinado há 24 anos, e a família não teve Justiça.

“Vamos lutar para ter Justiça para ela. Esperamos que ele pegue a condenação máxima”, falou Maria. Hércules estava foragido por um processo de violência doméstica, e foi preso em flagrante na mesma região onde o crime aconteceu. A vítima foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na da Capital poucas horas após ser esfaqueada.

O feminicídio

Claudineia sofreu cortes no pescoço, na região da nuca e devido à gravidade foi atendida pela Ursa (Unidade de Resgate e Suporte Avançado), sendo encaminhada para o hospital.

Durante o registro policial da tentativa de feminicídio, a polícia descobriu que havia um mandado de prisão aberto para o homem.

Em 2010, ele já havia sido preso por violência doméstica em Campo Grande, o processo na justiça começou a correr em 2011, mas teve o prazo alterado duas vezes por conta de feriados e atualmente está suspenso.

De acordo com a família do homem, ele tinha histórico frequente de brigas com a companheira, mas nunca a ponto de um deles precisar de atendimento médico. Alcoólatras, os dois viviam juntos há pelo menos 4 anos.