Um jovem de 29 anos foi preso na terça-feira (29), após ser abordado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na , em , cidade a 203 km de . O veículo tinha registro de receptação no estado de Goiás. Além disso, o rapaz fugiu de um posto de combustível de Campo Grande sem pagar pelo abastecimento.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado pela gerente do posto de combustível na BR-163, na Chácara das Mansões, o rapaz abasteceu o valor de R$ 208, em seguida foi até a conveniência e consumiu a quantia de R$ 8 e fez um Pix. Depois entrou no veículo, um Chevrolet Tracker, dizendo que faria o Pix do combustível, mas foi embora.

A responsável apresentou na o comprovante do Pix com o nome do rapaz e câmeras de segurança com a placa do veículo.

Na delegacia, a polícia constatou que o rapaz havia sido preso em Miranda pouco tempo após o crime em Campo Grande.

O rapaz, que estava com um passageiro no veículo, foi abordado pela PRF em Miranda. A contou que saiu de Londrina, no Paraná, para pescar em um pesqueiro, mas não tinham reserva. Disseram que pegaram o veículo emprestado da esposa de um primo, porém durante checagem foi constatado que o veículo possuía boletim de ocorrência por estelionato em Goiás.

Os dois foram encaminhados para a delegacia. Com eles foram encontrados 1 celular iPhone 13 pro max, 1 smartwatch e um celular Samgung.

Já na delegacia, o motorista disse que pediu o carro emprestado para um amigo que é locador de veículo, pois o seu estava estragado. A condição era devolver na quarta-feira (30). Disse ainda que teria combinado a pescaria com o passageiro do veículo, semanas atrás.

O locador teria levado o veículo até a casa de um deles e seguiram viagem. Eles negam que tenham mexido no rastreador do veículo.

A polícia entrou em contato com a locadora, que informou que o automóvel foi locado por outra pessoa, que seria o ‘amigo' que emprestou o veículo, e que somente ele poderia utilizar o veículo, além disso, o rastreador do veículo foi rompido forçadamente às 21h45 de segunda-feira (28), após sete horas de locação.

Durante audiência de custódia, o passageiro teve a liberdade concedida mediante pagamento de fiança de R$ 10,5 mil.

Já o motorista, que, inclusive possui extensa fixa criminal, foi convertida a prisão em flagrante em prisão preventiva.