Foi condenado a 12 anos de o açougueiro Inácio Pessoa Rodrigues, pelo feminicídio de Luciana de Carvalho, de 45 anos. O crime aconteceu em julho de 2022, em .

Durante o julgamento, Inácio chegou a dizer que estava arrependido. No interrogatório, ele alegou que não tinha intenção de matar a esposa. “Estou arrependido, saí fora de mim e aconteceu”, falou.

Após o crime, o corpo de Luciana ainda foi mantido na residência. Inácio foi preso no começo de agosto, depois que o caso foi descoberto.

Ainda durante o júri, Inácio contou que toma remédios controlados. Assim, no dia do crime teria chegado do serviço, foi dormir e depois foi acordado com chutes por Luciana.

Ele também alegou que a vítima dizia que o mataria, quando os dois entraram em luta corporal. Luciana foi morta com quatro facadas.

Luciana registrou BOs contra o marido

Um dos boletins de ocorrência foi registrado em fevereiro de 2022. Na época, Luciana relatou na (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) que convivia com o homem há cinco meses.

Então, após um churrasco, o casal começou a discutir por causa da venda de uma televisão. Inácio teria apertado o pescoço da vítima e dado tapas no rosto dela.

O homem ainda teria xingado Luciana. Nesse dia, a vítima pediu medidas protetivas e requereu que Inácio deixasse a residência do casal.

Luciana foi morta a facadas

Inácio matou Luciana com pelo menos quatro facadas e dormiu com o corpo por cerca de quatro dias. Sempre que saía, trancava a casa para que ninguém percebesse nada.

Segundo a polícia na época, o corpo foi encontrado em decomposição na cozinha. Quando Inácio foi preso, o celular da vítima foi encontrado em seu bolso.

Assim, uma testemunha contou aos policiais que há dias Luciana não mantinha contato. Além disso, que nos fundos da casa foi percebido um mau cheiro.

Inácio foi preso quando passava de bicicleta pela frente da residência. Ele ainda tentou fugir, mas foi perseguido e detido a 300 metros do local.

Saiba Mais