Nesta terça-feira (8), mandados foram cumpridos pela em Mato Grosso do Sul, na Operação After, que desarticulou organizações criminosas especializadas no tráfico de drogas. O grupo contava com apoio de milícia armada e movimentou R$ 1 bilhão.

Segundo a Polícia Federal, ao todo foram expedidos 246 mandados pelo Juízo da 4ª Vara Criminal da Comarca de Uberlândia (MG). Destes, 110 de prisão e 136 de busca e apreensão. Além de MS, a operação também foi realizada em Minas Gerais, Goiás, , São Paulo, Pará, Tocantins e Roraima.

O grupo atuava no fornecimento de grandes quantidades de cocaína para outros traficantes, principalmente na região do triângulo mineiro. Para isso, contavam com apoio da milícia carioca.

Foi identificado um grupo atuante na região da baixada fluminense, com atividade voltada à exploração do serviço clandestino de “segurança armada” para o transporte de cargas de grandes empresas, cujos parques industriais estão sediados naquela região.

Este grupo contava com a atuação de público da área de segurança pública do estado do e explorava, também, o comércio ilegal de fuzis.

Os grupos criminosos foram identificados a partir do rastreamento das atividades de célula criminosa localizada na região do triângulo mineiro, especializada na lavagem de dinheiro para diversos criminosos localizados em várias unidades da federação.

Tal célula administrava contas bancárias em nome de laranjas. No decorrer das investigações, a Polícia Federal descobriu que mais de R$ 1 bilhão foi movimentado no período investigado.

Parte destes valores foram destinados à compra de fazendas, casas, apartamentos, embarcações e veículos de luxo. As contas bancárias utilizadas no esquema e o patrimônio identificados foram bloqueados por determinação judicial.

A presente operação foi batizada de After por ser um desdobramento da Operação Balada, deflagrada em outubro de 2021, quando foram cumpridos 236 mandados de prisão e 228 de busca e apreensão, além do sequestro milionário de bens.