A Polícia Civil de Deodápolis, a 260 quilômetros de Campo Grande, já tem suspeitos para a execução de Ronald Aguirre Dias, de 22 anos, morto com pelo menos 10 tiros em frente a esposa, na noite do último sábado (5), quando voltava de uma festa de aniversário.

Segundo o delegado Anderson Guedes de Farias, várias testemunhas já foram ouvidas, inclusive, a esposa de 18 anos da vítima. Os depoimentos não foram revelados para não atrapalhar nas investigações. 

O delegado ainda disse que já foram identificados suspeitos para o assassinato, e não é descartada a ligação com tráfico de drogas. Ronald já foi preso em 2018, por equipes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) quando transportava um carregamento de maconha, em um Corolla. 

Guedes não descartou a possibilidade de o crime ter envolvimento com facções criminosas. 

Prisão por tráfico de drogas

Ronald tem passagens que começam em 2018 por tráfico de drogas e receptação. Ele já chegou a ser preso por policiais rodoviários federais, no dia 17 de outubro de 2018, quando estava carregando mais de 1 tonelada de maconha em um veículo Corolla.

Ele acabou preso na BR-163 em uma estrada vicinal após os policiais receberem a informação sobre o carregamento da droga. O Corolla foi encontrado abandonado na estrada e Ronald localizado pelos agentes. Na época, ele contou que estava esperando apoio após o carro apresentar pane.

A droga seria levada para Goiás e no carro estavam 891 tabletes de maconha que pesaram mais de 1 tonelada da droga.

Execução de Ronald

O pai do rapaz de 41 anos procurou o pelotão da polícia logo após o crime e contou que todos estavam em uma festa de aniversário quando por volta das 23h50 de sábado (5) voltavam para casa.

Ao chegarem em casa e Ronald ir entrar na residência foi surpreendido pelos autores que estavam escondidos a sua espera. O autor armado com uma pistola foi em direção a Ronald fazendo vários disparos. A vítima tentou fugir com o carro, mas acabou perdendo o controle e entrando em terreno baldio próximo.

O autor, então, foi até o carro novamente e fez mais disparos contra Ronald, atingindo a esposa da vítima na perna. A mulher disse que ao descer do carro ainda teve a arma apontada em sua direção, mas acredita que não foi morta porque as balas teriam acabado. Vários projéteis deflagrados foram apreendidos pela perícia. 

Logo após o crime, o autor fugiu em um Fiat Uno, de cor prata. Não se sabe os motivos para o assassinato, que é investigado pela polícia.