Polícia

Morte de cabeleireira completa um mês e assassino segue foragido

Homem atirou no rosto da vítima e também atingiu filha da ex-namorada

Anna Gomes Publicado em 15/01/2022, às 11h49

Jackeline foi morta com um tiro na cabeça após terminar o relacionamento com o suspeito.
Jackeline foi morta com um tiro na cabeça após terminar o relacionamento com o suspeito. - Reprodução/Facebook.

A morte da cabeleireira Jackeline Aparecida de Souza Galvão, de 37 anos, completou um mês no último dia 12 de janeiro e o assassino, o ex-namorado da vítima, de 45 anos, segue foragido e sem previsão de quando vai se apresentar na delegacia, conforme informou o advogado do suspeito na última sexta-feira (14), ao Jornal Midiamax.

Jackeline foi morta com um tiro na cabeça após terminar o relacionamento com o suspeito. O crime ocorreu no dia 12 de dezembro, na cidade de Nova Alvorada do Sul, município distante aproximadamente 110 quilômetros de Campo Grande.

Conforme o advogado Acrísio Venâncio, o cliente nunca mais entrou em contato e teria desaparecido dias após supostamente matar a ex. “No começo, ele disse que iria cooperar e iria se apresentar, mas nunca mais entrou em contato. Não temos previsão de quando ele será apresentado”, adiantou.

Inicialmente, a suspeita é de que o suposto autor não aceitava o fim do relacionamento com a vítima. Além de atirar em Jackeline, ele teria tentado atirar contra o filho dela de 10 anos. A filha, de 20 anos, entrou na frente para defender a criança e foi atingida no braço. Jackeline foi levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Preso homem que ajudou no crime

Conforme a Polícia Civil, no último dia 12 de janeiro, um homem de 27 anos foi preso suspeito de ajudar o assassino no dia do crime. Ele forneceu a arma e teria levado o assassino até o país vizinho, o Paraguai, após o assassinato.

Jornal Midiamax