A Polícia Civil prendeu a dupla acusada de furtar grampos dos trilhos de uma empresa responsável pela malha ferroviária de Mato Grosso do Sul. Durante a investigação, também foi identificada a receptadora dos grampos, que mantém uma empresa de clandestina em . A empresa lesada explicou que cada grampo vale R$ 1, mas o prejuízo vai além do financeiro, as retiradas dos grampos danificam os trilhos e poderiam ter causado mortes no Estado.

De acordo com as informações da polícia, de início foi identificada a dupla acusada dos furtos, no entanto, um envolvido foi solto em audiência de custódia. Então, a Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos) interrogou o outro acusado, que afirmou ter furtado duas vezes os grampos e que na segunda, acabou preso.

Depois de cometer o furto, o acusado afirmou aos policiais que levou os grampos, sem informar a quantidade furtada, para uma empresa de reciclagem de materiais, que funcionava clandestinamente no bairro . Lá, a Derf localizou uma mulher de 37 anos, que afirmou ter pago R$ 0,80 centavos por cada grampo. O acusado disse que saiu do local com R$ 24.

De acordo com o especialista em segurança patrimonial da empresa lesada, os furtos já vinham sendo detectados há algum tempo e que vem causando prejuízo na manutenção da malha ferroviária. Além disso, a retirada causou a danificação dos trilhos, o que poderia ter ocasionado até em mortes, segundo o especialista. Ele explicou que o quilo do ferro vale R$ 1 e que cada grampo pesa 1 quilo.

Os dois foram presos, o rapaz pelo furto e a mulher pela . Ela também já tem passagens pelo crime de furto. Ainda, no local a polícia recuperou 66 grampos. A investigação policial continua, a fim de identificar outros autores do crime.