Polícia

Preso por execução de policial civil na fronteira é extraditado para o Brasil

Vítima foi morta com tiro na nuca

Renata Portela e Marcos Morandi Publicado em 01/12/2021, às 13h59

Gustavo foi preso no Paraguai
Gustavo foi preso no Paraguai - (Divulgação)

Nesta quarta-feira (1º), Gustavo Barros Benítez, 34 anos, é extraditado para o Brasil pela fronteira entre Pedro Juan Caballero (PY) e Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande. Gustavo é acusado do homicídio do policial civil Marcílio de Souza, de 51 anos, em fevereiro de 2014.

No dia do crime, o policial teria ido até uma delegacia paraguaia para passar informações sobre o furto de um trator agrícola ocorrido em Sete Quedas. Quando voltava para Paranhos resolveu parar em uma lanchonete, a 100 metros da faixa de fronteira. Após pedir uma garrafa d’água foi surpreendido por um homem que estava em uma moto sem placas e desferiu um tiro de calibre 12.

O disparo acertou a nuca do policial, que foi encaminhado para o hospital de Paranhos, onde morreu. A motocicleta foi abandonada no local do crime e apreendida pela polícia paraguaia. O policial morto estava armado com um revólver calibre 38 e uma pistola calibre .40 com dois carregadores e munições de reserva.

Jornal Midiamax