Polícia

Polícia conclui inquérito e sequestrador que recebeu R$ 18 mil de vítimas é denunciado

O comparsa morreu ao reagir à abordagem policial

Renata Portela Publicado em 02/10/2021, às 16h47

João Vitor morreu em confronto após Claudinei ser preso
João Vitor morreu em confronto após Claudinei ser preso - (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Claudinei dos Santos de Oliveira, de 29 anos, o ‘Magrão’, foi denunciado nesta sexta-feira (1º), pelos crimes cometidos na noite de 18 de setembro. Com João Vitor Rodrigues da Silva, de 20 anos, que morreu após reagir à abordagem policial, ele sequestrou uma mulher de 50 anos e extorquiu a família em R$ 18 mil para que a vítima fosse liberada.

Conforme a denúncia oferecida pela promotora Cristiane Amaral Cavalcante, Claudinei e João Vitor ainda roubaram dois celulares, duas bolsas, três relógios, duas alianças e o carro da vítima, um Audi Q3 que só foi abandonado após eles jogarem a chave fora, sem perceberem. Para liberarem a vítima, os bandidos ainda exigiram R$ 50 mil, conseguindo receber R$ 18 mil e mais um relógio Rolex.

Ainda de acordo com a peça, restou apurado na investigação do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestros) que a vítima de 50 anos e a filha, de 21 anos, chegaram em casa por volta das 20 horas. Quando abriam o portão para entrarem com o carro, foram surpreendidas pelos dois bandidos e rendidas.

Armados, os assaltantes anunciaram o roubo e levaram as vítimas para dentro da casa, exigindo dinheiro, joias e questionando se havia cofre e também mais pessoas na residência. O marido da vítima estava no quarto e foi surpreendido e também rendido, sendo ameaçado para entregar joias e dinheiro.

João Vitor teria visto um guarda de rua se aproximar, quando a dupla decidiu sequestrar a mulher, a levando no próprio carro. Assim, João dirigiu o Audi, enquanto Claudinei seguiu no Uno azul em que a dupla estava e que pertencia à ex-namorada dele. Em determinado momento, vendaram a vítima e jogaram fora alguns objetos que pudessem ser rastreados, quando jogaram a chave do carro.

Os suspeitos então seguiram até o cativeiro, na Rua Delfino Sanches, no Jardim Campo Alto, onde a vítima foi amarrada pelas mãos e pernas. Os bandidos então ligaram para o marido da vítima e exigiram R$ 50 mil para libertarem a mulher, ameaçando que matariam a vítima caso o marido ligasse para a polícia.

O homem conseguiu sacar R$ 18 mil e entregou também um relógio Rolex no local combinado, Rua Professor Odete Trindade Benites. Ele deixou o dinheiro com um ‘noiado’, contratado pela dupla, que pegou o valor e saiu do local. Momentos depois os suspeitos ligaram para o homem, dizendo que a mulher seria solta no Tiradentes.

Prisão e morte

Já na manhã do dia 19, em diligências, equipes policiais encontraram o Fiat Uno usado pela dupla sendo transportado por um guincho. Equipes permaneceram na região, até que conseguiram encontrar Claudinei em uma conveniência. Ele confirmou participação no crime e indicou o comparsa, João Vitor, com quem teria ficado o dinheiro e o relógio das vítimas.

As equipes seguiram em buscas por João, que foi encontrado na Rua Daniela Peres, no Residencial Betaville. Ele reagiu à abordagem, atirando duas vezes, e acabou atingido por disparos dos policiais, que revidaram. Ele ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. De acordo com a polícia, no hospital foi constatado que João usava em uma das mãos a aliança da vítima.

Um amigo dele que estava no local confirmou que João teria dito que tinha conseguido o dinheiro, chegou a pagar bebidas e drogas e estava sob efeito de entorpecentes no momento da abordagem. O amigo foi preso em flagrante com tabletes de maconha e responde por tráfico de drogas.

Preso preventivamente, Claudinei foi denunciado pela ameaça exercida com emprego de arma de fogo e extorsão mediante sequestro, crimes cometidos com concurso de duas ou mais pessoas. Ao fim da denúncia, a promotora ainda pede que seja fixado valor mínimo de indenização devida à vítima, com fim de ressarcimento pelos prejuízos causados.

Jornal Midiamax