Polícia

Operação da PF em Campo Grande e Corumbá termina com prisão em flagrante

Policiais encontraram revólver e 9 munições, em localidade não revelada

Guilherme Cavalcante Publicado em 12/05/2021, às 12h57

None
Foto: Divulgação | Polícia Federal

O cumprimento dos 8 mandados de busca e apreensão na Operação Independência, deflagrada pela PF (Polícia Federal) e pela CGU (Controladoria-Geral da União) nesta quarta-feira (12), em Corumbá e Campo Grande, terminou com uma pessoa presa em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido.

A PF não informou onde ocorreu o flagrante e nem quem foi preso, mas confirmou apreensão de um revólver calibre 38 e 9 munições da referida arma. Segundo a PF, houve apreensão de mídias e de documentos, que serão analisados e periciados. Também não houve apreensão de valores relevantes.

As investigações recaem sobre contrato assinado pela Prefeitura Municipal de Corumbá junto a empreiteira para revitalização, com recursos federais, da Praça da Independência, um dos cartões-postais do município. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na casa de empresários e funcionários públicos da Prefeitura Municipal de Corumbá vinculados à administração dos anos de 2013 a 2016.

De acordo com a PF, 35 policiais federais e 4 servidores da CGU. Os mandados expedidos pela Justiça Federal em Corumbá buscam reforçar os indícios de corrupção identificados até agora e individualizar a conduta de cada agente. Segundo a PF, investigados poderão responder pelos crimes de peculato (artigo 312, caput, segunda parte, do código penal) e frustração do caráter competitivo do processo licitatório (art. 90, da Lei nº 8.666/93).

O nome da operação faz referência ao Praça da Independência, objeto urbano centenário localizado no centro da cidade de Corumbá e que representa um ícone no paisagismo e na história da cidade. Em nota, o ex-prefeito Paulo Duarte afirmou que não é investigado.

Jornal Midiamax