Polícia

O dia em que uma ligação de um presidiário de MS custou R$ 2,8 mil a filha de paciente

Autor e a esposa foram denunciados por estelionato e respondem processo

Renan Nucci Publicado em 10/05/2021, às 14h23

None
Foto Ilustrativa

Casal de estelionatários de Mato Grosso do Sul responde processo criminal de estelionato, após aplicar golpe por telefone e deixar prejuízo de R$ 2,8 mil à filha de uma paciente internada em São Paulo. O autor, presidiário de Três Lagoas, enganou a vítima alegando que o dinheiro seria usado para pagar a medicação que o plano de saúde não cobria.

Os fatos ocorreram em maio de 2014. Na ocasião, o réu, enquanto estava recolhido em uma unidade penitenciária, telefonou para o ramal de um quarto do hospital. Não há detalhes sobre como ele descobriu que a mãe da vítima estava naquele local. No entanto, a vítima atendeu e o autor se passou por um médico e requisitou o pagamento.

Ele disse que o valor seria usado para custear os medicamentos da mãe da mesma, uma vez que o plano de saúde não cobriria todos os remédios necessários. Fragilizada com a situação, a vítima acabou acreditando na história e transferiu o dinheiro para a companheira do autor que, segundo ele, seria a responsável pelo laboratório que distribuía os fármacos.

Porém, logo após efetuar a transação, a vítima conversou com funcionários do hospital que relataram se tratar de golpe. A Polícia Civil foi acionada e conseguiu identificar os autores. A mulher que recebeu o dinheiro alegou ser companheira do preso que, depois de Três Lagoas, acabou transferido para o presídio de segurança máxima de Campo Grande. Ambos foram denunciados.

Jornal Midiamax