Polícia

MPMS pede arquivamento de inquérito sobre morte de adolescente em freezer

Morte teria sido decorrente do uso de anabolizantes

Renata Portela Publicado em 18/11/2021, às 16h17

Casa onde jovem foi encontrado
Casa onde jovem foi encontrado - (Arquivo, Midiamax)

Após conclusão do inquérito policial sobre a morte de José Eduardo Alves Gonçalves Rosa, de 15 anos, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pediu arquivamento do caso. O adolescente foi encontrado morto dentro do freezer da casa da avó, em 11 de janeiro, após supostamente ter sofrido um mal súbito.

O pedido foi feito pelo promotor de Justiça José Arturo Bobadilla, da 18ª Promotoria, ao juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande. No pedido, o promotor pontua que o laudo do exame de corpo de delito, exame necroscópico, aponta que a causa da morte é indeterminada.

Assim, para a acusação foi identificado pela perícia do celular de José Eduardo que ele fazia uso de anabolizantes. É esclarecido ainda que o uso de tais drogas causam efeitos colaterais que podem levar a uma morte por mal súbito. O adolescente teria entrado no freezer horizontal para simular uma banheira, quando então sofreu o mal súbito e acabou falecendo.

Ainda que a tese seja questionada, não há elementos que possam apontar indícios de autoria de crime de homicídio, aponta o promotor. Com isso, foi solicitado arquivamento do inquérito, com possibilidade de reabertura das investigações caso surjam novos indícios ou suspeitas.

Uso de anabolizantes

No começo das investigações, a Polícia constatou que José havia começado a tomar anabolizantes sem o conhecimento da família. Ele tinha a intenção de começar academia, devido a ter obesidade, na semana anterior em que morreu. A família do garoto teria histórico de hipertensão e obesidade.

Ainda de acordo com a polícia, o garoto teria colocado água dentro do freezer, que tem capacidade para 20 litros e entrado, fazendo dele uma piscina. Quando o corpo foi encontrado já estava em putrefação.

Troca de mensagens com a mãe

Antes de ser encontrado morto, José trocou mensagens com mãe onde dizia que ela era a rainha dele. Em conversas no WhatsApp, a mãe havia perguntado para José se estava tudo bem na casa da avó e em seguida disse que amava o filho. O adolescente respondeu ao questionamento da dona de casa afirmando que estava tudo bem, e em seguida responde a mãe por áudio, “Te amo, você é minha rainha”.

Depois dessa conversa no sábado, dia 8 de janeiro, a mãe de José não conseguiu mais falar com o garoto. A família chegou a acreditar em crime na época dos fatos, mas a hipótese acabou descartada

Corpo no freezer

O corpo foi encontrado pelo primo que estava à procura de José que havia desaparecido na tarde do dia 10 de janeiro. O adolescente estava só de cuecas e não havia sinais aparentes de violência. Uma faca foi encontrada no quintal da residência. O freezer onde foi encontrado a vítima estava desligado.

Jornal Midiamax