Polícia

Em depoimento, namorado diz que 'brincou' de subir em capô antes de acidente que matou Mariana

O rapaz estava embriagado quando o acidente aconteceu

Thatiana Melo Publicado em 15/05/2021, às 14h00

None
(Reprodução Facebook)

O namorado de Mariana Vitória Lima, de 19 anos, ao prestar depoimento na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), neste sábado (15), em Campo Grande, disse que o acidente que terminou na morte da jovem teria sido resultado de uma 'brincadeira' entre o casal que voltava para casa depois de uma festa. O veículo Toyota Etios era de Mariana.

O Jornal Midiamax teve acesso ao primeiro depoimento prestado pelo rapaz na delegacia. Ele contou que os dois estavam fazendo uma 'brincadeira' de subir no capô do carro enquanto o veículo estava em movimento. O jovem relatou que eles estavam namorando há quatro meses, sendo que na noite do acidente teriam ido a uma festa de aniversário de um amigo em comum.

Depois da festa, já na madrugada deste sábado, resolveram passar em uma lanchonete para comer, mas o estabelecimento comercial estava fechado. Então, resolveram voltar para casa e no trajeto foram ‘brincar’. Em um primeiro momento, o rapaz disse que subiu no capô enquanto Mariana dirigia.

[Colocar ALT]
Foto: Henrique Arakaki, Midiamax

Em seguida, ele contou que foi para a direção do carro e a jovem subiu no capô do veículo. Segundo afirmação dele à polícia, os dois beberam vodca com energético na festa do amigo. Em continuidade ao relato, o rapaz afirmou que estava na Avenida Arquiteto Rubens Gil de Camilo, sentido Via Park, quando perdeu o controle do carro em uma curva.

E neste momento bateu o carro em uma árvore e depois de um poste parando cerca de 30 metros à frente. Ele ainda revelou que após o acidente, pegou a namorada, que estava desacordada, nos braços e a colocou no asfalto. O jovem diz que passou a acenar para motoristas que passavam no local pedindo por socorro.

Em seguida apareceu um carro de cor preta, e o condutor acionou o socorro. Mariana teve múltiplas fraturas, uma delas no pescoço e havia marcas de pneu na barriga da jovem. O primeiro registro na delegacia o autuou por feminicídio e embriaguez ao volante, já que o resultado do teste do bafômetro acusou 0,89 mg/l.

(Colaborou Danielle Errobidarte)

Amigos lamentam

Em publicações nas redes sociais, amigos e familiares de Mariana lamentaram a morte prematura da menina, de apenas 19 anos. “Que Deus possa confortar seu coração nesse momento e dor", disse uma amiga em uma das postagens. Outra diz, “Eu não tenho palavras e nem posso imaginar a imensidão de sua dor”.

Outra mensagem dizia, " Quero somente que vc saiba que estarei orando por vc é toda sua família, pra que Deus possa estar derramando do refrigério D’Ele sobre vc é toda sua família! Sinta-se abraçada, acolhida! Meus mais sinceros sentimentos".

Após o corpo ser liberado do Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal de Campo Grande), Mariana será levada para Amambai, cidade onde vivia antes de se mudar para Campo Grande. Parte da família da jovem ainda vive na cidade do interior do Estado. 

Jornal Midiamax