Polícia

Dupla diz que destruiu imagem de São Judas Tadeu para furtar cajado de metal em Campo Grande

Imagem do santo tem cerca de 20 anos e possui um valor de mercado alto

Dayene Paz Publicado em 10/05/2021, às 11h46

None
Imagem foi danificada durante tentativa de furto (Foto Fala Povo/Midiamax)

A Polícia Civil identificou e indiciou dois homens de 32 e 38 anos, acusados de vandalizarem a imagem de São Judas Tadeu da Paróquia Santuário localizada no Jardim América em Campo Grande. O caso ocorreu na madrugada do dia 27 de abril e os dois homens foram flagrados por câmeras de monitoramento. O objetivo era tirar a peça de metal da imagem, que seria a réplica de um cajado.

Nas imagens das câmeras é possível observar que a dupla caminha pelo pátio da igreja e salão paroquial. Eles teriam conseguido acesso ao local após danificar a grade que dá acesso e pular um portão que divide as áreas de estacionamento, também os fundos do Santuário.

Os investigadores da 5ª Delegacia de Polícia Civil chegaram até a dupla, que na última sexta-feira (07), foi ouvida pelo delegado Gustavo de Oliveira Bueno. O homem de 32 anos seria morador de rua e afirmou que o objetivo não era danificar a imagem, apenas tirar uma peça de metal que seria a réplica de um cajado para vendê-la.

A dupla foi indiciada por furto, dano e alterar o aspecto ou estrutura em razão de seu valor religioso.

Valor alto

A secretária paroquial, Onedes Campos, diz que a imagem do santo tem cerca de 20 anos e possui um valor de mercado alto, pois é feita de um material de resina que resiste ficar na parte externa. Complementa que foi realizado investimentos na segurança, aumentando a quantidade de câmeras de segurança e até a implementação de um novo portão. Além da imagem danificada, foram levadas duas capas de válvula de descarga do banheiro.

O padre Laércio Chebelo, pároco e reitor do Santuário São Judas Tadeu afirmou que a Paróquia passa por um momento de restruturação em suas comunidades, com investimento inclusive em reconstrução e reformas das igrejas, e a implementação de sistemas de segurança. Com a pandemia o dízimo, oferta e doação diminuiu muito, o que dificulta ainda mais as finanças com os prejuízos vindo de ações de vandalismo.

Jornal Midiamax