Polícia

Delegado que atuou na fronteira assume delegacia especializada em crimes rurais em MS

Deleagro também terá competência para investigar crimes como subtração de insumos, defensivos e maquinários agrícolas

Thatiana Melo Publicado em 03/05/2021, às 09h58

None
Delegacia vai investigar crimes de furtos de gado -( Arquivo, Divulgação)

Começa a funcionar em Campo Grande, a Deleagro (Delegacia Especializada de Combate a Crimes Rurais e Abigeato), na estrutura da Polícia Civil, que vai ter como titular o delegado Mikaill Alessandro Faaria, que já atuou na fronteira de Mato Grosso do Sul.

A Deleagro terá a missão de reprimir e investigar crimes como o abigeato, que se trata de furtos de animais domésticos no campo e nas fazendas, principalmente de gado. Também terá competência para investigar e reprimir crimes como subtração de insumos, defensivos e maquinários agrícolas.

Irá atuar, ainda, nos delitos decorrentes de crimes agrários, nos quais haja violência, em um trabalho de cooperação com demais instituições e órgãos, com ressalvas àquelas com competência federal, e prestará apoio às demais unidades policiais na apuração de crimes contra o agronegócio.

Caberá à delegacia coordenar, orientar, prevenir e exercer ações permanentes para o combate aos delitos voltados à atividade rural, centralizar e difundir dados, denúncias e estatísticas sobre este tipo de crime.

Também será de competência da Deleagro, criar e manter banco de dados atualizado sobre veículos boiadeiros, empregadores e empregados, condutores de comitivas, motoristas de caminhões, com fotos, marcas, dados geográficos, raças bovinas e outros dados de relevância.

Consideram-se como crimes de abigeato de maior repercussão, aqueles de autoria desconhecida, em quantidade superior a 50 cabeças de gado, demais delitos relacionados à atividade rural, cujos objetos materiais subtraídos tenham valores superiores a 2000 Uferms (Unidades Fiscais Estaduais de Referência de Mato Grosso do Sul).

O delegado Mikaill Farias já atuou como titular nas cidades de Amambai, Tacuru e Paranhos, além de atuar em Ponta Porã. “O agronegócio é o motor do Estado em precisa de uma atenção especial”, disse Mikaill.

Jornal Midiamax