Com diversos casos já noticiados pelo Midiamax no último ano, modalidade de extorsão após troca de ‘nudes' através das virou motivo de alerta da Polícia Civil para a população. Só em Campo Grande já são aproximadamente 40 casos registrados, considerando os mesmos autores, presidiários do Rio Grande do Sul.

Conforme a nota emitida pela Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), os presidiários encaminham pedidos de amizade através do Facebook, com perfis falsos. Esses perfis são geralmente de mulheres, com idade aproximada de 18 anos. Após começar a conversar com as vítimas, eles trocam fotos íntimas.

Depois, o homem passa a receber mensagens pelo WhatsApp, que seriam dos pais da ‘dona' das fotos ou de falsos policiais civis e até falsos delegados. Eles revelam que as meninas das fotos são adolescentes e exigem dinheiro para não divulgarem que a vítima é um pedófilo ou para não instaurarem inquérito policial e pedirem prisão.

Em alguns casos, eles também exigem dinheiro para reparação de danos físicos ou emocionais das supostas adolescentes. Só na Derf já há aproximadamente 40 casos semelhantes em investigações. A maioria das vítimas são homens acima de 50 anos, que tentam se envolver com meninas na faixa dos 18 anos.

Algumas vítimas chegam a transferir o valor e outras procuram a delegacia ainda antes de fazerem a transferência. Os casos são tratados geralmente como extorsão ou tentativa de extorsão.