Polícia

Coração de avó: dona Gricélia implorou para neto não comprar refrigerante antes de execução em Campo Grande

Kennedy ainda teria tentado falar algo para a avó antes de morrer, mas não conseguiu

Thatiana Melo e Danielle Errobidarte Publicado em 03/12/2021, às 09h53

None
(Henrique Arakaki, Midiamax)

Antes de ver o neto Kennedy Gabriel ser assassinado com três tiros na noite dessa quinta-feira (2), no bairro Portal Caiobá, em Campo Grande, a avó do jovem, Gricélia Araújo, de 75 anos, havia pedido para que o rapaz não saísse de casa, “armaram uma casinha para ele”.

A idosa disse ao Jornal Midiamax que Kennedy estava fazendo jantar e avisou a avó que iria até uma conveniência para comprar um refrigerante, mas dona Gricélia pediu para que o neto não saísse e que ele tomasse um suco, mas Kennedy disse que ia mesmo assim.

Quando já estava voltando para casa, o rapaz foi atingido pelos tiros nas costas. Dona Gricélia relatou que estava no corredor quando ouviu os tiros e achou que eram bombinhas, mas ao sair foi empurrada pelo neto para que não fosse atingida. “Ele me salvou”, disse a idosa, que ressaltou o quanto Kennedy era cuidadoso com ela, amoroso e fazia tudo por ela. 

Um dos tiros, cerca de quatro, atingiu o vidro traseiro do Pálio do tio de Kennedy que estava na garagem da casa. Testemunha contou que antes do jovem ser assassinado, um homem estava escondido atrás de uma árvore e, ao ver a vítima, saiu atirando.

Também foi relatado que uma garota em uma bicicleta estava na conveniência e quando Kennedy saiu do estabelecimento, ela o teria seguido até a sua casa. A polícia procura pelo criminoso e pela garota. Não se sabe os motivos para o assassinato. 

Jornal Midiamax