Polícia

Com risco de tentativa de resgate, ‘El Gringo’ é transferido para a capital do Paraguai

No sábado (23), forte esquema de segurança foi montado pela Polícia Nacional do Paraguai, com uso de veículos blindados, para transferência de Clemencio Gonzales Gimenes, ‘El Gringo’. Apontado como um dos traficantes mais procurados daquele país, ele foi preso na sexta-feira (22) em Pedro Juan Caballero (PY), fronteira com Mato Grosso do Sul. Após a […]

Renata Portela Publicado em 24/01/2021, às 10h33 - Atualizado em 25/01/2021, às 07h25

El Gringo foi transferido para Assunção sob risco de resgate (Reprodução)
El Gringo foi transferido para Assunção sob risco de resgate (Reprodução) - El Gringo foi transferido para Assunção sob risco de resgate (Reprodução)

No sábado (23), forte esquema de segurança foi montado pela Polícia Nacional do Paraguai, com uso de veículos blindados, para transferência de Clemencio Gonzales Gimenes, ‘El Gringo’. Apontado como um dos traficantes mais procurados daquele país, ele foi preso na sexta-feira (22) em Pedro Juan Caballero (PY), fronteira com Mato Grosso do Sul.

Após a prisão, o criminoso foi transferido para a sede do Grupo Especializado, em Assunção, capital do Paraguai. A transferência ocorre por risco de resgate ou de execução por rivais. Conforme o Ponta Porã News, desde a prisão toda a região do Departamento de Investigações de Pedro Juan – o mesmo onde houve ataque após a prisão de Bonitão – foi cercada e vigiada.

Agentes usavam metralhadoras .50 para repelirem qualquer tentativa de resgate do criminoso, de alta periculosidade. Neste sábado, o comboio com dezenas de carros deixou o Departamento em direção ao aeroporto de Pedro Juan Caballero. El Gringo foi colocado em um veículo blindado e levado até a pista de pouso, onde embarcou rumo a Assunção.

El Gringo seria uma das lideranças do tráfico na fronteira com Mato Grosso do Sul e foi preso em um condomínio. Ele ainda tentou fugir, mas acabou se entregando. Conforme o comissário Gilberto Fleitas, da Polícia Nacional, Gringo estava foragido há mais de 6 anos e é acusado de homicídios contra policiais, desafetos e concorrentes.

A ele é atribuída a morte de Amado Felício Martinez, em 2004, após este ter se envolvido em um acidente que matou o irmão de Gringo. Como vingança, ele foi raptado e executado. Clemencio Gonzales também seria responsável pelo roubo de 260 quilos de cocaína apreendidos na sede da Polícia Nacional em Pedro Juan.

No dia, a droga foi levada em carros particulares e, no local, os criminosos deixaram sacos de farinha. Vários policiais que teriam contribuído com o crime acabaram presos.

Jornal Midiamax