Polícia

Antes de ser morto, pai teria descoberto que adolescente inventou denúncia de estupro contra avô

Continua apreendido o menino de 17 anos que matou o pai, Robson Bassichetti Franciosi, o ‘Alemão’, na madrugada de quinta-feira (7). Segundo relato de familiares, ele foi morar com o pai no dia 5 de janeiro em Ivinhema, a 291 quilômetros de Campo Grande, após denunciar o avô materno por estupro. Conforme apurado pelo Jornal […]

Renata Portela Publicado em 08/01/2021, às 13h47 - Atualizado em 09/01/2021, às 15h18

Robson foi morto na madrugada do dia 7 / Arquivo Pessoal
Robson foi morto na madrugada do dia 7 / Arquivo Pessoal - Robson foi morto na madrugada do dia 7 / Arquivo Pessoal

Continua apreendido o menino de 17 anos que matou o pai, Robson Bassichetti Franciosi, o ‘Alemão’, na madrugada de quinta-feira (7). Segundo relato de familiares, ele foi morar com o pai no dia 5 de janeiro em Ivinhema, a 291 quilômetros de Campo Grande, após denunciar o avô materno por estupro.

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, o adolescente morava no Estado de São Paulo e teve problemas com o avô materno. Assim, denunciou o familiar ao Conselho Tutelar por estupro, mas segundo parentes a história teria sido inventada pelo adolescente, justamente porque ele tinha problemas de convivência com a mãe, o padrasto e o avô, com quem morava.

Assim, o pai foi orientado a buscar o adolescente e o fez. Menos de dois dias após chegar na residência de Robson em Ivinhema, o rapaz e ele tiveram uma discussão que terminou com a morte de Alemão. A princípio o adolescente chegou a alegar que esfaqueou o pai as 6 vezes para se defender.

Uma testemunha disse à polícia que o adolescente se comportou bem durante todo o tempo em que esteve com o pai. Eles passaram o dia bebendo e, à noite, já em casa, discutiram. Isso porque o jovem revelou em conversa com o pai que tinha inventado a denúncia de estupro contra o avô e Robson então falou que a atitude era errada.

Durante a briga, o jovem acabou se apossando da faca e matando o pai. A esposa de Robson estava na casa com o filho de 1 ano, mas não chegou a presenciar o crime. O adolescente ainda segue apreendido e é aguardada manifestação do Ministério Público para que a Justiça decida se ele permanecerá em internação ou se terá liberdade provisória concedida.

Jornal Midiamax