Polícia

Adolescente foi tirado por seis homens de Unei em MS e teve rosto desfigurado em execução

Garoto foi apreendido no último dia 19 com armas avaliadas em mais de R$ 65 mil

Thatiana Melo Publicado em 30/11/2021, às 09h43

None
(Divulgação)

Wesley Agostinho da Silva, de 17 anos, assassinado durante a madrugada desta terça-feira (30), em Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, teve o rosto desfigurado após ser retirado à força da Unei (Unidade Educacional de Internação) e morto com tiros de fuzil. O adolescente tem duas passagens por porte ilegal de arma de fogo. 

O crime aconteceu depois da meia-noite desta terça (30), quando Wesley foi resgatado por pelo menos seis homens de dentro da unidade. Os agentes socioeducativos que estavam no local também foram imobilizados pelos braços com uma fita preta, usada para retirar o adolescente da Unei. Segundo informações, os agentes disseram que a Unei estava sem internet e sem telefone há três dias. Os autores saíram pela porta da frente da unidade educacional levando o adolescente. 

O corpo foi encontrado na Avenida da Flora com a rua das Flores, com o rosto desfigurado após os tiros de fuzil desferidos contra ele. O adolescente pode ter sido morto após a "falha" no transporte de um fuzil, que teria sido enviado por um traficante.

Fuzil Avaliado em R$ 65 mil

No dia 19 de novembro, Wesley acabou apreendido por policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) na BR-463 quando seguia como garupa de uma motocicleta, de cor azul. Ele carregava uma mochila onde estavam um fuzil desmontado, com dois carregadores, uma mira Ret Dot, uma pistola 9 mm com carregador, uma mira telescópica, além de pares de luvas e toucas ninjas.

Quando detido, Wesley disse que havia sido contratado para levar o armamento até um posto de gasolina e que iria receber R$ 500 pelo serviço. O armamento foi avaliado em R$ 65 mil. 

As polícias dos dois países investigam a participação do traficante citado por Wesley na morte do vereador Farid Afif, no dia 8 de outubro, e se o adolescente foi morto após não ter cumprido com a tarefa de levar o armamento até a cidade da fronteira.

Jornal Midiamax