Polícia

Acusado de matar homem a facada ao defender amiga de agressões se torna réu

Na quarta-feira (27), Cleyton Marques da Silva, de 27 anos, se tornou réu pela morte de José Augusto Marques Cruz, crime ocorrido na tarde do dia 14 de janeiro. No dia, ele estava na casa de uma amiga no Paulo Coelho Machado, quando o ex-marido dela, José, invadiu a residência e começou a agredir a […]

Renata Portela Publicado em 28/01/2021, às 14h06

Cleyton foi preso em flagrante após o crime (Foto: Danielle Errobidarte, Midiamax)
Cleyton foi preso em flagrante após o crime (Foto: Danielle Errobidarte, Midiamax) - Cleyton foi preso em flagrante após o crime (Foto: Danielle Errobidarte, Midiamax)

Na quarta-feira (27), Cleyton Marques da Silva, de 27 anos, se tornou réu pela morte de José Augusto Marques Cruz, crime ocorrido na tarde do dia 14 de janeiro. No dia, ele estava na casa de uma amiga no Paulo Coelho Machado, quando o ex-marido dela, José, invadiu a residência e começou a agredir a mulher.

Em depoimento, a dona da casa de 57 anos chegou a contar para a polícia que estava em casa quando Cleyton e uma amiga chegaram. Eles se conheciam há pelo menos 10 anos e os convidados teriam passado a tarde bebendo cerveja e catuaba. Em determinado momento, a moradora foi para o quarto e deitou.

Enquanto dormia, ela ouviu os barulhos no portão. José Augusto, ex-marido, quebrou o portão e invadiu a casa, indo direto até a mulher. Ele teria agredido a vítima e Cleyton o encarou dizendo “Você não vai mais bater nela não, você já machucou ela demais”. A testemunha afirma que ainda pediu para que eles não brigassem.

Mesmo assim, Cleyton sacou a faca e atingiu José, que morreu no local. Segundo o acusado, ele não enxerga de um olho e tem a visão comprometida no outro, portanto só vê vultos. Ele alega que quando puxou a faca, só queria dar um susto em José, mas não tinha a intenção de matar.

Ele acabou preso em flagrante e foi oferecida denúncia pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Nesta quarta-feira, o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, da 1ª Vara do Tribunal do Júri recebeu a denúncia, tornando Cleyton réu.

Jornal Midiamax