Polícia

VÍDEO: Vereador e mais dois são multados por pesca ilegal em MS

O vereador por Corguinho, Hélio Tenório (Podemos) foi multado em R$ 15 mil por pesca ilegal. Outros dois homens que estavam com o vereador durante a pesca proibida também foram multados com o mesmo valor. A PMA (Polícia Militar Ambiental) recebeu um vídeo postado nas redes sociais onde o vereador e os outros dois homens […]

Diego Alves Publicado em 30/12/2020, às 21h44 - Atualizado em 31/12/2020, às 12h24

Vereador em vídeo de pesca ilegal (reprodução)
Vereador em vídeo de pesca ilegal (reprodução) - Vereador em vídeo de pesca ilegal (reprodução)

O vereador por Corguinho, Hélio Tenório (Podemos) foi multado em R$ 15 mil por pesca ilegal. Outros dois homens que estavam com o vereador durante a pesca proibida também foram multados com o mesmo valor.

A PMA (Polícia Militar Ambiental) recebeu um vídeo postado nas redes sociais onde o vereador e os outros dois homens realizavam a pesca predatória. No vídeo, os homens capturam um peixe da espécie jaú e um outro filma a pescaria. Nesta quarta-feira (30), uma equipe esteve na cidade e localizou o vereador e mais o outro pescador que o auxiliou na pescaria e identificou o homem que fez a filmagem.

O vereador e um agricultor 62 anos que o ajudou na retirada do peixe, residentes em Corguinho, afirmaram que a pescaria ocorreu antes do período proibido. O agricultor afirmou também que a pessoa que filmou trata-se de seu sobrinho, que reside em Guarulhos (SP).

Para a autuação, a PMA considerou que, mesmo que a captura do peixe não tivesse ocorrido antes do período de defeso, o peixe foi capturado com uso de anzol de galho, petrecho proibido ao pescador amador, caso dos três envolvidos na pescaria, portanto, caracterizando-se a infração. O anzol de galho é um tipo de petrecho permitido em quantidade de até oito, mas somente ao pescador profissional e devidamente identificado com placas contendo o registro do pescador.

Além disso, os Policiais calculam que o peixe capturado mediria mais de 130 centímetros, que é o tamanho máximo para captura da espécie pelas normas, o que também se caracteriza infração ambiental. Diante dos fatos, foram confeccionados autos de infração contra os infratores, sendo arbitrada multa de R$ 5 mil contra cada um, perfazendo R$ 15 mil. Os autuados também poderão responder por crime ambiental de pesca predatória, com pena prevista de um a três anos de detenção.

Jornal Midiamax