Polícia

Rota caipira: polícia cumpre mandado contra funcionário que ajudou piloto em falso sequestro

Em nova fase da operação Rota Caipira deflagrada pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado) nesta sexta-feira (17), em Paranaíba a 407 quilômetros de Campo Grande, mandados de prisão são cumpridos novamente contra o piloto Edmur Guimara Bernardes de 77 anos e também contra o funcionário do aeroporto, que teve participação confirmada no […]

Thatiana Melo Publicado em 17/07/2020, às 10h18

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação) - (Foto: Divulgação)

Em nova fase da operação Rota Caipira deflagrada pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado) nesta sexta-feira (17), em Paranaíba a 407 quilômetros de Campo Grande, mandados de prisão são cumpridos novamente contra o piloto Edmur Guimara Bernardes de 77 anos e também contra o funcionário do aeroporto, que teve participação confirmada no falso sequestro.

A polícia tenta localizar Idevan, que na época teria facilitado a história do falso sequestro orquestrada por Edmur, que acabou preso no dia 27 de junho de 2019. Na época foram cumpridos sete mandados. Nesta sexta (17) tiveram as prisões preventivas decretadas, o piloto Edmur Guimara Bernardes, e do recepcionista Idevan Silva Oliveira, 53 anos, funcionário público municipal.

O falso sequestro foi orquestrado pelo piloto Edmur. A ação teria como pano de fundo o roubo de mais três aeronaves que custaria R$ 1 milhão de logística desenvolvida por membros do PCC. As investigações paraguaias em conjunto com a investigação do lado brasileiro apontaram para o plano que estava sendo desenvolvido.

Falso sequestro

Edmur teria sido sequestrado no dia 18 de junho de 2019, em casa, e levado pelos suspeitos até o aeroporto de Paranaíba. Idevan relatou à polícia que os bandidos estavam armados e exigiram um determinado avião, que foi roubado e levado com o piloto, enquanto ele teria sido deixado amarrado.

Após mais de 30 horas o piloto foi encontrado em Cáceres, no Mato Grosso, e alegou que foi sequestrado e obrigado a seguir para a Bolívia e Paraguai, onde os supostos sequestradores resgatariam um membro do PCC. Ele ainda contou que fugiu com a aeronave em um descuido dos assaltantes.

Edmur já teve envolvimento em casos de tráfico de drogas e contrabando. Em um dos casos mais antigos, foi detido pela Polícia Federal em setembro de 2000. A prisão aconteceu após a PF apreender 138 quilos de cocaína em um hangar, em Paranaíba.

A droga pertencia a um pecuarista e seria transferida de um avião para o fundo falso de um caminhão. Na época, os suspeitos tentaram dizer que transportavam hormônios bovinos. Edmur era um dos responsáveis pelo descarregamento da droga em Paranaíba.

Jornal Midiamax