Polícia

Policiais executados na viatura investigavam furto de joias em bairro chique de Campo Grande

Os policiais civis, Antônio Marcos Roque da Silva, de 39 anos e Jorge Silva dos Santos, 50 anos executados a tiros na tarde desta terça-feira (9) em Campo Grande, estariam investigando um furto de joias a um ourives, quando foram assassinados com tiros na cabeça, por Ozéias Silveiras Morais,que acabou morto em confronto durante a […]

Thatiana Melo Publicado em 10/06/2020, às 07h53 - Atualizado às 13h14

Policiais Jorge Silva dos Santos e Antônio Marcos Roque da Silva (Foto: Divulgação, PCMS)
Policiais Jorge Silva dos Santos e Antônio Marcos Roque da Silva (Foto: Divulgação, PCMS) - Policiais Jorge Silva dos Santos e Antônio Marcos Roque da Silva (Foto: Divulgação, PCMS)

Os policiais civis, Antônio Marcos Roque da Silva, de 39 anos e Jorge Silva dos Santos, 50 anos executados a tiros na tarde desta terça-feira (9) em Campo Grande, estariam investigando um furto de joias a um ourives, quando foram assassinados com tiros na cabeça, por Ozéias Silveiras Morais,que acabou morto em confronto durante a madrugada desta quarta-feira (10).

Segundo informações apuradas pelo Jornal Midiamax, os dois policiais faziam as investigações do furto em um comércio de ouro e Willian Duarte Comerlato e Ozéias seriam suspeitos do crime, sendo que eles teriam sido encontrados em suas respectivas residências, e como Willian tinha um mandado por causa de violência doméstica acabou sendo algemado e levado. Da joalheria foram levadas aproximadamente 300 peças de joias com brilhantes e cerca de R$ 4 mil. O crime aconteceu em maio deste ano.

Já Ozéias que era outro suspeito do furto, mas não tinha mandado contra ele acabou sendo levado como ‘testemunha’ pelos policiais, que tentavam seu encaminhamento para a delegacia para a apuração do crime. Como a Lei do Abuso de Autoridade não permitia que fosse algemado, já que estava sendo conduzindo como ‘testemunha’ acabou sendo colocado na viatura descaracterizada sem as algemas.

Mas, ao perceber que seria levado para a delegacia executou os dois policiais com tiros na cabeça. Willian já tinha passagens por furtos e tráfico, e violência doméstica. Já Ozéias também era conhecido por crimes de tráfico de drogas.

Ozéias foi morto durante a madrugada desta quarta (10), em confronto com policiais que estavam a sua procura depois dos assassinatos. Ele foi encontrado no bairro Santa Emília, na casa de um conhecido. Ao ver os policiais efetuou disparos e acabou sendo atingido. Ele ainda chegou a ser socorrido, mas morreu.

Os policiais civis foram mortos com tiros na cabeça quando faziam a condução dos dois homens. Após o crime, a dupla fugiu em um veículo Honda HR-V, e Willian foi preso pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros) na região do Guanandi.

*Matéria editada às 12h36 para correção de informações

Jornal Midiamax