Polícia

Polícia Civil investiga legalidade de ‘rifas’ feitas por youtuber campo-grandense

A Polícia Civil, por meio da 3ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, investiga a legalidade de supostas rifas realizadas pelo youtuber que desafiou autoridades, passeando de carro pelas ruas da cidade durante toque de recolher. De acordo com o delegado Ricardo Meireles, responsável pelo inquérito, não é descartada também a possibilidade de crimes de […]

Renan Nucci Publicado em 16/04/2020, às 16h37

 3ª Delegacia de Campo Grande, onde o caso é investigado. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
3ª Delegacia de Campo Grande, onde o caso é investigado. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - 3ª Delegacia de Campo Grande, onde o caso é investigado. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

A Polícia Civil, por meio da 3ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, investiga a legalidade de supostas rifas realizadas pelo youtuber que desafiou autoridades, passeando de carro pelas ruas da cidade durante toque de recolher. De acordo com o delegado Ricardo Meireles, responsável pelo inquérito, não é descartada também a possibilidade de crimes de estelionato e crimes contra o consumidor.  “Estamos coletando provas”, disse.

O delegado explica que a partir de vídeos do canal do youtuber, foi possível encontrar indícios de várias irregularidades, como as rifas realizadas, aparentemente, sem autorização de órgãos federais de regulação, o que caracteriza contravenção penal. “Ele apresentava o veículo em um vídeo no canal, depois fazia o sorteio através de uma rifa com seu público”, explicou. 

Em um dos casos, teria arrecadado muito mais do que o valor do veículo entregue. “Estamos analisando também se realmente algum veículo foi entregue, pois dependendo, pode incidir em crimes mais graves, como estelionato ou contra o consumo”. Além disso, a Polícia Civil investiga outras irregularidades supostamente cometidas pelo rapaz.

O inquérito foi aberto conforme ofício encaminhado pela Prefeitura Municipal, por meio da Sesdes (Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social), que continha notícias de crimes e vídeos quanto ao desrespeito do toque de recolher. Também foram encontrados indícios de crimes de trânsito, como excesso de velocidade e entregar veículo para pessoa não habilitada, no caso um adolescente. Tais infrações somam mais de 40 pontos na carteira dele.

“Pelos vídeos vimos que realmente ele desrespeitou toque de recolher e colocou em risco o controle da pandemia. Ele também incita pessoas à desobediência, pois tem um canal com centenas de milhares de seguidores e estava propagando que eles deveriam desobedecer”, destacou Meireles.

Jornal Midiamax