Polícia

Operação na Favela do Mandela prende foragido por morte de policial e mira tráfico do PCC

Operação Vigilante na Favela do Mandela, realizada nesta quinta-feira (22) pela 11ª Companhia Independente, Batalhão de Choque, Batalhão de Trânsito e Cavalaria da Polícia Militar prendeu um foragido com três mandados de prisão e mira tráfico de drogas. A suspeita é que traficantes utilizem o local como esconderijo. A prisão de Uildes Junior de Oliveira […]

Danielle Errobidarte Publicado em 22/10/2020, às 17h46 - Atualizado em 23/10/2020, às 13h32

Favela do Mandela é alvo de Operação. (Foto: Leonardo de França)
Favela do Mandela é alvo de Operação. (Foto: Leonardo de França) - Favela do Mandela é alvo de Operação. (Foto: Leonardo de França)

Operação Vigilante na Favela do Mandela, realizada nesta quinta-feira (22) pela 11ª Companhia Independente, Batalhão de Choque, Batalhão de Trânsito e Cavalaria da Polícia Militar prendeu um foragido com três mandados de prisão e mira tráfico de drogas. A suspeita é que traficantes utilizem o local como esconderijo.

A prisão de Uildes Junior de Oliveira Ramos pela morte do sargento da PM Marino Soares, 62, ocorreu na madrugada de quarta-feira (21). No começo do mês, em outra abordagem na favela, ele usou identidade falsa no nome de Thiago Rodrigues da Cunha, mas acabou sendo descoberto dias depois e levado para a delegacia. Durante a abordagem, ele mordeu a mão de um PM.

Operação na Favela do Mandela prende foragido por morte de policial e mira tráfico do PCC
Ao resistir à prisão, foragido mordeu mão de policial. (Foto: Divulgação/ 11ª CIPM)

O crime aconteceu em 2019 em Cuiabá-MT. Uildes já tinha passagem por roubo e furto em 2017 e estava com mandado de prisão em aberto por roubo, latrocínio e falsidade ideológica. Os mandados foram expedidos em abril de 2019, julho de 2019 e agosto de 2020.

A Operação continua na Favela do Mandela, uma vez que o local é usado como esconderijo de traficantes de drogas e membros de facções criminosas. Segundo o tenente coronel Edgar Almada, um dos barros era usado pela família de Uildes. “Não podemos descuidar dessa comunidade, as facções estão usando para abrigar seus membros”.

As equipes cercam o Favela, já que existe uma área de mata ao entorno. Cinco policiais com cavalos da Cavalaria da Polícia Militar dão apoio às equipes por terra.

Jornal Midiamax