Omertà: Agiotas praticavam juros abusivos e colocavam capangas para cobrar

Esquema de agiotagem investigado pela Operação Snowball, deflagrada nesta quarta-feira (07) em Campo Grande, como desdobramento da Operação Omertà, praticava juros abusivos e colocava capangas armados até com tacos de beisebol para cobrar os devedores. Ao todo, foram cumpridos quatro mandados de prisão e três de busca e apreensão. Um quinto envolvido não foi localizado […]
| 07/10/2020
- 21:37
Omertà: Agiotas praticavam juros abusivos e colocavam capangas para cobrar
(Henrique Arakaki, Midiamax) - (Henrique Arakaki, Midiamax)

Esquema de agiotagem investigado pela Operação Snowball, deflagrada nesta quarta-feira (07) em Campo Grande, como desdobramento da Operação Omertà, praticava juros abusivos e colocava capangas armados até com tacos de beisebol para cobrar os devedores. Ao todo, foram cumpridos quatro mandados de prisão e três de busca e apreensão. Um quinto envolvido não foi localizado e é dado como .

A ação foi realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público Estadual, juntamente com o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a a Bancos, Assaltos e Sequestros). São apurados crimes de agiotagem, extorsão majorada por uso de arma de fogo e lavagem de dinheiro.

Os suspeitos emprestaram dinheiro às vítimas, num período de quatro anos e, com cobrança de juros extorsivos, estipularam como crédito um valor milionário, tornando a dívida uma “bola de neve” (em inglês, Snowball). Em seguida, a dívida era cobrada por capangas que faziam ameaças e usavam armas de fogo e taco de beisebol.

Tal constrangimento ocorria no escritório da organização criminosa, local onde um casal de empresários, vítimas do esquema, foi coagido a ceder imóveis e saldar a dívida. A organização dispunha de funcionários para buscar as vítimas e levá-las até o escritório, ou mesmo para ameaçá-las a comparecer a determinado local em determinada data.

Foram indiciados pela força-tarefa da Polícia Civil dois líderes da organização criminosa, além de quatro funcionários do esquema, entre eles o vereador de Campo Grande Ademir Santana (PSBD), alvo de busca e apreensão e que, conforme a investigação, participou conduzindo as vítimas até a presença dos líderes.

A ação causou prejuízo milionário. Um dos bens perdidos para o grupo é uma casa residencial situada no Jardim Monte Líbano, mesmo local onde, no mês de maio de 2019,o Garras e o Batalhão de Choque apreenderam um arsenal de guerra que estava sob cuidados de um guarda municipal e, conforme posteriormente apurado, pertencia aos líderes da organização criminosa.

Veja também

Equipe da Base Operacional de Ponta Porã, da Polícia Militar Rodoviária, apreendeu R$ 1,5 milhão...

Últimas notícias