Polícia

Polícia investiga se ‘vingadores paraguaios’ estão caçando bandidos que agem em MS

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul vai investigar se os “vingadores paraguaios” estão procurando bandidos que agem do lado brasileiro, já que um caminhão Ford F 1000 prata, que estava ao lado dos corpos de três homens encontrados mortos numa estrada vicinal em Colônia de Aceiteí, a 35 quilômetros de Pedro Juan Caballero, […]

Mariana Rodrigues Publicado em 08/04/2019, às 11h48

Foto: Capitan Bado
Foto: Capitan Bado - Foto: Capitan Bado

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul vai investigar se os “vingadores paraguaios” estão procurando bandidos que agem do lado brasileiro, já que um caminhão Ford F 1000 prata, que estava ao lado dos corpos de três homens encontrados mortos numa estrada vicinal em Colônia de Aceiteí, a 35 quilômetros de Pedro Juan Caballero, havia sido roubada em dezembro do ano passado em Aral Moreira.

Conforme informações do delegado de Ponta Porã, Alcides Bruno Braun, um boletim de ocorrência foi registrado em 8 de dezembro de 2018, o roubo ocorreu em uma chácara na zona rural da cidade.

No registro policial, a professora de 46 anos conta que estava em casa com seu filho de 20 anos, por volta das 23h40, quando quatro homens encapuzados entraram em sua casa. Eles estavam com luvas e uma lanterna e a todo tempo focavam nos rostos das vítimas evitando serem reconhecidos.

Ainda de acordo com informações do boletim de ocorrência, as vítimas foram levadas para o quarto e amarradas com fita adesiva, o rapaz foi agredido com um chute no rosto. Segundo uma das vítimas, foi possível identificar que um dos autores tinha sotaque paraguaio já que ele se identificou como policial dizendo que era para as vítimas deitarem no chão.

Não há informações oficiais de que o policial Pedro Yanel Barua Acosta, 35 anos, e os irmãos Venancio Ramon Romero, 29 anos e Delio Roselver Santa Cruz, 31 anos, encontrados mortos e algemados na manhã desse domingo (7), teriam participação nesse assalto, as vítimas serão chamadas para proceder ao reconhecimento, pelo delegado de Aral Moreira.

Justiceiros da fronteira

Ainda não há suspeitos de quem seriam os “vingadores paraguaios”, o procedimento está sendo investigado pela Polícia Nacional. Celulares que estavam com o trio também foram apreendidos.

Conforme informações do site ABC Color não há certezas sobre a origem e composição do grupo que age com brutalidade excessiva na maioria de seus crimes, e a suspeita é de que eles se intitulem justiceiros como desculpa para legitimar os assassinatos que cometem.

Outros crimes

Em 30 de maio de 2018, o corpo de Eduardo Cordoba Aquino de 20 anos foi encontrado às margens da rodovia BR-463 sentido Ponta Porã, com os pés algemados e com as mãos decepadas.

No dia 10 de agosto de 2018, Willian David Villalba Espinosa, de 20 anos, foi executado com vários tiros, em Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã.

Em todos os casos, foram deixados cartazes assinados pelos “justiceiros da fronteira”, próximos aos corpos mencionando que as vítimas seriam autores de roubos.

Jornal Midiamax