Polícia

Pintor que matou pai de santo após chantagem é condenado a 14 anos

O júri condenou a 14 anos de prisão o pintor Leonardo Rodrigues Jure, de 25 anos, pela morte do pai de Santo Michael Morgan Andreoli Noronha, ocorrida em julho do ano passado, na Vila Piratininga, em Campo Grande. Segundo sentença proferida pela juíza Denise Barros Dodero, durante julgamento realizado nesta terça-feira, no Fórum da Capital, […]

Renan Nucci Publicado em 04/06/2019, às 14h40 - Atualizado às 17h53

None

O júri condenou a 14 anos de prisão o pintor Leonardo Rodrigues Jure, de 25 anos, pela morte do pai de Santo Michael Morgan Andreoli Noronha, ocorrida em julho do ano passado, na Vila Piratininga, em Campo Grande.

Segundo sentença proferida pela juíza Denise Barros Dodero, durante julgamento realizado nesta terça-feira, no Fórum da Capital, o réu foi condenado por homicídio qualificado por meio cruel e por recurso que dificultou defesa da vítima. Ele foi absolvido do furto do notebook e celular de Michael.

Ao ser preso, Leonardo relatou que se encontrava escondido com Michael e começou a ser chantageado por ele. Com medo de que as pessoas descobrissem a relação entre os dois, Leonardo marcou um encontro e enforcou o pai de santo com um fio de telefone.

Segundo o autor do homicídio, imagens com cena de sexo gravadas sem consentimento estariam no computador e no celular da vítima e por isso os itens foram furtados após o assassinato. A Polícia Civil foi até o terreiro onde o homem atendia, e encontrou uma falsa lâmpada com uma câmera de filmagem escondida dentro.

Dia do Crime

Conforme a versão apresentada por Leonardo, após ser chantageado, ele marcou um encontro com o pai de santo com o intuito de cometer o assassinato e destruir as supostas filmagens. O autor teria aproveitado que a vítima tirou a roupa e provocou a morte por estrangulamento com fio de telefone. Após o crime, ele pegou o notebook e o celular e foi embora.

Alguns momentos depois, ficou escondido na casa de um amigo de infância e confessou à mulher dele que “teria cometido uma besteira”. Leonardo Rodrigues foi indiciado por homicídio qualificado com meio cruel sem defesa da vítima e por motivo torpe.

Jornal Midiamax