Polícia

Mais um: motorista diz que foi ‘fechado’ em avenida e roubado por travestis

Na madrugada desta quarta-feira (18), homem de 36 anos teve o carro roubado quando andava pela Avenida Costa e Silva, na região da Vila Progresso em Campo Grande. Ele se deparou com um carro parado na via e foi abordado por duas travestis que estavam no veículo. Conforme depoimento do motorista à polícia, ele dirigia […]

Renata Portela Publicado em 18/12/2019, às 06h50 - Atualizado às 13h38

Motorista estava bêbado (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
Motorista estava bêbado (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - Motorista estava bêbado (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Na madrugada desta quarta-feira (18), homem de 36 anos teve o carro roubado quando andava pela Avenida Costa e Silva, na região da Vila Progresso em Campo Grande. Ele se deparou com um carro parado na via e foi abordado por duas travestis que estavam no veículo.

Conforme depoimento do motorista à polícia, ele dirigia o Prisma cinza pela Costa e Silva quando viu um carro antigo, cor prata, parado na avenida. O veículo estava bloqueando a via e, quando o homem se aproximou, duas pessoas desceram.

Segundo a vítima, duas travestis foram até o carro dele como se estivessem pedindo socorro e antes que ele pudesse entender o que estava acontecendo, uma suspeita se aproximou pela janela do passageiro e tirou a chave da ignição. A dupla ainda estaria armada com uma faca e um taser, uma arma de choque.

As travestis exigiram os pertences da vítima, que teve aliança, celular e carteira roubados. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga como roubo majorado pelo concurso de pessoas.

Caso recorrente

Outros casos de homens roubados por travestis são comumente registrados nas delegacias de Campo Grande e também no interior. No dia 10 de novembro, um homem de 36 anos procurou a polícia para denunciar que foi roubado por uma travesti armada com uma garrafa quebrada, após ter sido atraído por uma mulher.

Ele estava na Rua XV de Novembro e teve a carteira e uma corrente de ouro roubados e afirmou que a mulher era usada como ‘isca’ para roubos. Já em 16 de outubro, um homem de 49 anos denunciou que parou para conversar com a travesti na Vila Progresso, pensando que era uma mulher. Durante a conversa, outra travesti teria aplicado uma gravata nele e usado um taser.

As duas teriam roubado dinheiro, celular e aliança da vítima. Em Dourados, cidade que fica a 225 quilômetros de Campo Grande, o fato foi um tanto quanto diferente. No dia 19 de novembro, a travesti foi quem procurou a polícia, após se arrepender de roubar o cliente. Ela usou uma faca para ameaçar e roubar e acabou arrependida.

Jornal Midiamax