Polícia

Golpistas dizem que vão ‘abençoar vida financeira’ e vítimas perdem R$ 15 mil

Mãe e filha, de 82 e 54 anos, perderam R$ 15 mil depois de serem vítimas de um golpe. Os criminosos se passaram por religiosos, falaram que iriam abençoar a vida financeira das vítimas, mas acabaram fugindo com os cartões, quando fizeram saques e compras. O caso aconteceu no distrito de Prudêncio Thomaz, em Rio […]

Dayene Paz Publicado em 17/12/2019, às 18h05 - Atualizado às 18h42

Caso foi registrado e será investigado / Foto: Rio Brilhante em Tempo Real
Caso foi registrado e será investigado / Foto: Rio Brilhante em Tempo Real - Caso foi registrado e será investigado / Foto: Rio Brilhante em Tempo Real

Mãe e filha, de 82 e 54 anos, perderam R$ 15 mil depois de serem vítimas de um golpe. Os criminosos se passaram por religiosos, falaram que iriam abençoar a vida financeira das vítimas, mas acabaram fugindo com os cartões, quando fizeram saques e compras. O caso aconteceu no distrito de Prudêncio Thomaz, em Rio Brilhante, a 158 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com as informações do boletim de ocorrência registrado nesta terça-feira (17), o crime aconteceu no último domingo (15), quando dois homens chegaram na casa delas, que fica em uma área rural, por volta das 10h.

A dupla se apresentou como religiosa e que fariam orações pelas moradoras. Na sequência pediram que mãe e filha colocassem seus cartões bancários e senhas dentro de uma toalha, pois eles iriam “abençoar” a vida financeira delas.

Conforme o site Rio Brilhante em Tempo Real, as mulheres foram orientadas a deixarem os cartões com as senhas no sol embaixo de um travesseiro até as 18h do dia seguinte, sem que mexessem. Na segunda-feira (16) elas foram até o travesseiro e perceberam que os cartões haviam sido levados com as senhas.

As vítimas foram até agência bancária em Rio Brilhante, onde foram informadas que da idosa havia registro de vários saques e compras no valor total de R$ 14.267,70. Da conta da filha foi realizado dois saques no valor de R$ 1,5 mil. O caso foi registado como furto qualificado com abuso de confiança.

Jornal Midiamax