Polícia

Foragida acusada de matar ex-namorado por vingança é presa após 6 anos

Foragida da Justiça, Rúbia Celestino, 32, acusada de matar o ex-namorado Rudnei dos Santos Teixeira Borges, 27, com ajuda do irmão Washington Marinho Pereira foi presa pelo SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil nesta quarta-feira (17) em Três Lagoas, cidade a 325 quilômetros de Campo Grande. Contra ela havia uma condenação de oito […]

Diego Alves Publicado em 17/04/2019, às 22h03 - Atualizado em 18/04/2019, às 13h46

None

Foragida da Justiça, Rúbia Celestino, 32, acusada de matar o ex-namorado Rudnei dos Santos Teixeira Borges, 27, com ajuda do irmão Washington Marinho Pereira foi presa pelo SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil nesta quarta-feira (17) em Três Lagoas, cidade a 325 quilômetros de Campo Grande.

Contra ela havia uma condenação de oito anos de reclusão no regime semiaberto, em razão do homicídio do ex-namorado ocorrido em julho de 2013 no Bairro Oiti.

O SIG (Setor de Investigações Gerais) cumpriu a ordem judicial, e conseguiu efetuar a prisão por volta das 10 horas. De acordo com o delegado Ailton Pereira, a mulher foi localizada na Avenida Rosário Congro. Rubia foi encaminhada ao Presídio Feminino de Três Lagoas, publicou o site Hoje Mais.

Vingança

Rúbia Celestino, e o irmão Washington Marinho Pereira, foram presos depois de matar com golpes de faca, enxada e tiros, o porteiro Rudnei Teixeira Borge em julho de 2013 no bairro Oiti.

Rúbia era namorada de Rudnei, e em outubro daquele ano tentou matá-la com quatro disparos de arma de fogo, sendo que um dos tiros acertou a cabeça da mulher.

Como vingança ela chamou o irmão e tramou a morte da vítima, que no dia do crime estava chegando de uma viagem que havia realizado para Ponta Porã.

Conforme o processo Washington errou os quatro tiros que havia efetuado contra Rudnei, momento em que Rúbia pegou uma faca, e acertou quatro golpes no ex-namorado. O irmão dela pegou uma enxada, e acertou contra a vítima que estava caída no chão. Ao serem presos na época, confessaram o crime.

Jornal Midiamax