Polícia

Família de Mayara Amaral protesta em frente ao Fórum por Justiça

“Mayara presente”, com gritos pedindo Justiça é que familiares, amigos da musicista Mayara Amaral assassinada aos 27 anos pedem para que o baterista Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, assassino confesso pague pelo crime. Rosas brancas estão sendo entregues na frente do fórum de Campo Grande, nesta sexta-feira (29), quando acontece o julgamento de Luis […]

Thatiana Melo Publicado em 29/03/2019, às 08h27 - Atualizado às 15h18

Foto: Minamar Júnior
Foto: Minamar Júnior - Foto: Minamar Júnior

“Mayara presente”, com gritos pedindo Justiça é que familiares, amigos da musicista Mayara Amaral assassinada aos 27 anos pedem para que o baterista Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, assassino confesso pague pelo crime.

Rosas brancas estão sendo entregues na frente do fórum de Campo Grande, nesta sexta-feira (29), quando acontece o julgamento de Luis Bastos pelo crime. A mãe da musicista, Ilda Cardoso de 52 anos, disse que espera pela pena máxima para Luís, que acabou tirando um pedaço dela ao matar Mayara. “Os homens que cometem este tipo de crime ainda não sentiram o peso da lei. Espero que pegue a pena máxima, e fique pelo menos 20 anos na cadeia”, falou.

Para Ilda, a filha se tornou um grande símbolo contra o feminicídio. “Todos os dias há crimes como este. Mulheres que são mortas de fomas cruéis”, pontuou. Para Ilda, Luis não está arrependido do que fez com Mayara.

O pai da musicista, Alziro Amaral, de 63 anos, disse esperar coerência dos jurados para a condenação do baterista.

Mayara Amaral teve a vida interrompida, em julho de 2017, quando foi morta com golpes de martelo pelo baterista Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos. Ela também teria sido esganada e teve R$ 17,3 mil em bens roubados. Além de Luís, mais dois homens foram presos no dia seguinte ao achado do corpo, acusados de participação no assassinato, mas após investigações concluíram que o baterista agiu sozinho.

O corpo da musicista foi encontrado por peões de fazendas da região do Inferninho, ainda em chamas. A defesa do acusado usou como estratégia o fato de Luís ser usuário de drogas e pediu uma avaliação de sanidade mental do rapaz, por acreditar que o crime tenha sido motivado por um distúrbio muito além de sua vontade.

Família de Mayara Amaral protesta em frente ao Fórum por Justiça

Jornal Midiamax