Polícia

Decretada prisão preventiva de homem que espancou enteado de 2 anos

Durante audiência de custódia realizada na tarde desta quarta-feira, o juiz Marcus Vinícius de Oliveira Elias decretou a prisão preventiva do homem de 34 anos preso em flagrante na terça-feira, em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, suspeito de agredir o enteado de apenas dois anos. A criança teve lesões no órgão genital e […]

Renan Nucci Publicado em 03/07/2019, às 15h31

Foto: Arquivo
Foto: Arquivo - Foto: Arquivo

Durante audiência de custódia realizada na tarde desta quarta-feira, o juiz Marcus Vinícius de Oliveira Elias decretou a prisão preventiva do homem de 34 anos preso em flagrante na terça-feira, em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, suspeito de agredir o enteado de apenas dois anos. A criança teve lesões no órgão genital e fraturas na bacia e no fêmur.

“Denoto se fazer necessária a prisão preventiva do indiciado, para garantir a ordem pública, porquanto o indiciado usou de violência contra o enteado de apenas dois anos de idade. Aliado a isso, a genitora da criança salientou que o indiciado agrediu o menino em outra oportunidade, quando também lhe agrediu”, disse o magistrado em sua decisão.

Em contrapartida, o juiz colocou a mãe do menino em liberdade, alegando que, por enquanto, inexistem indícios de que ela praticou maus-tratos contra a vítima.

“Concedo liberdade provisória para a indiciada, mediante o cumprimento das seguintes medidas cautelares: comparecer, em juízo, sempre que intimado, comparecer ao fórum mensalmente, a contar da soltura, para registrar sua presença no aparelho de biometria, não sair do Estado e nem mudar de endereço, sem autorização”, destacou. O descumprimento pode levá-la à perda do benefício.

O Caso

Segundo nota divulgada pelo delegado Francis Tadano, da 2ª Delegacia da cidade, responsável pelo inquérito, os fatos vieram à tona na noite de segunda-feira, quando o menino deu entrada no Hospital da Vida com diversos ferimentos e suspeita de maus-tratos. Na denúncia, constava que a mãe poderia estar acobertando o crime cometido pelo marido, padrasto da criança.

A família reside no Jardim Colibri. Informações apontam que o suspeito, depois de ingerir bebidas alcoólicas, teria pisado no pênis do seu enteado, causando corte de quatro centímetros, sendo necessário procedimento cirúrgico. Além disto, a criança apresentou outros ferimentos nos joelhos e na região lombar da coluna, bem como fratura no fêmur e bacia. Diante dos fatos, nesta terça-feira a polícia foi ao hospital e conversou com a mãe.

Ela relatou que na noite de segunda-feira teve uma discussão com o marido, por ciúmes dele que não aceita a tatuagem que ela tem em nome do pai do garoto. Tal fato o incomoda e já foi motivo de brigas e até casos de violência doméstica contra a mulher. “Todos os desentendimentos do casal ocorreram por conta de referida tatuagem e também pelo ciúmes de Emerson em relação ao relacionamento anterior de Jaqueline”, disse o delegado em nota..

Neste sentido, o homem sempre desconta sua ira no enteado. A mulher detalhou que estava na casa da sogra, no bairro Dioclécio Artuzi, fazendo almoço na segunda-feira, quando ouviu o filho chorar e ao verificar, viu que a criança estava com a perna inchada. Logo, ela concluiu que o homem havia acabado de pisotear o menino, já que não gosta dele. O homem chegou a alegar que a criança se machucou em uma brincadeira.

A mulher levou o filho para o hospital e tentou acobertar os atos do marido. Os policiais descobriram a oficina onde o homem trabalha e o prenderam em flagrante. A mãe também foi detida por envolvimento com maus-tratos. O caso é investigado e a criança segue hospitalizada com fratura na bacia e fêmur.

Jornal Midiamax