VÍDEO: Antes de morrer, jovem decapitada falou sobre suposta missão dada por facção

Ela assumiu ser integrante do Comando Vermelho
| 22/05/2018
- 21:14
VÍDEO: Antes de morrer, jovem decapitada falou sobre suposta missão dada por facção

Em vídeo de um minuto e 43 segundos, Joice Viana de Amorim, de 21 anos, afirma ser integrante da facção criminosa Comando Vermelho e dá detalhes de suposta missão dada a ela por líderes do grupo.  A jovem foi encontrada decapitada com as mãos amarradas para trás em uma estrada vicinal na região do Bairro Santa Emília, em Campo Grande, no último dia 14.

VÍDEO: Antes de morrer, jovem decapitada falou sobre suposta missão dada por facção

Nas imagens, a jovem, que aparece com um casaco vermelho e sentada em uma cadeira, diz pertencer ao Comando Vermelho e conta que foi apelidada pelos padrinhos de ‘Moranguinho do CV’.

Estes padrinhos são identificados por ela como Ketlen Mayara, o esposo e um criminoso conhecido como ‘Batata’, que seria de Ponta Porã. “Me deram outro nome e disseram que quando alguém perguntasse era pra falar que eu me chamava Franciele”, explica.

Durante a gravação, Joice conta sobre a tarefa repassada a ela pelos superiores da facção. Ela dá detalhes da missão que lhe renderia R$ 3 mil e que pode ter ligação com suposta execução de uma mulher.

Segundo a jovem, Ketlen, sua madrinha no grupo criminoso, teria pedido para que ela fosse até o Bairro Dom Antônio e embebedasse outra integrante da facção conhecida como Fernanda.

“Quando ela estivesse bêbada era pra eu ir no canto e ligar para a Ketlen e ela ia ligar para um pessoal lá da Vila NháNhá e eles iriam num Corsa preto levar a irmã Fernanda. Foi isso o que me passaram, mas não disseram o que iam fazer. Se eu conseguisse fazer, ela ia me dar R$ 3 mil e mais drogas pra eu vender”, afirma.

Nos segundos finais do vídeo a jovem concluiu com voz embargada. “E é isso o que eu falo né, mano. Quem entra nessa vida tá liga como que é”, conclui.

O crime

Equipe da Polícia Militar foi acionada por volta das 6h40 da manhã do último dia 14 por moradores, que encontraram o corpo. A vítima estava sem documentos, o que impossibilitou sua identificação imediata. Sua cabeça estava separada do corpo e ela estava de bruços e com as mãos amarradas com o próprio casaco, em uma estrada de terra na região do Santa Emília.

O delegado plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Piratininga, Ricardo Meirelles, disse que a morte deve ter acontecido entre a noite de domingo (13) e a madrugada desta segunda (14). Meirelles falou que o corpo foi desovado na estrada, e que o local da morte seria outro.

Ainda de acordo com o delegado, não havia sinais de luta ou resistência da vítima. O rosto da mulher estava bastante machucado.

Policiais militares que estavam no local teriam dito que o crime pode ter ligação com facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), já que o método de execução é muito parecido.

Veja também

Acusado teria passado as mãos nas costas e também nos cabelos da funcionária

Últimas notícias