Polícia

Madrasta suspeita de espancar bebê demorou 1 hora para chamar socorro, diz polícia

A madrasta do bebê de 1 ano e 6 meses que morreu na última quinta-feira (16), em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, com sinais de espancamento, demorou aproximadamente 1 hora para chamar o socorro para a criança. Ela e o marido, pai do bebê, tiveram a prisão preventiva decretada por suspeita de espancar […]

Thatiana Melo Publicado em 21/08/2018, às 09h36 - Atualizado em 22/08/2018, às 09h53

None

A madrasta do bebê de 1 ano e 6 meses que morreu na última quinta-feira (16), em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, com sinais de espancamento, demorou aproximadamente 1 hora para chamar o socorro para a criança.

Ela e o marido, pai do bebê, tiveram a prisão preventiva decretada por suspeita de espancar a criançaaté provocar a sua morte. Os dois são lutadores de MMA.

Segundo o delegado Marcelo Batista Damaceno, o médico legista teria apontado que quando o socorro foi acionado, o bebê já estava morto há pelo menos uma hora.

Ainda segundo o delegado, em depoimento, a mulher negou que tenha maltratado a criança e diz que tentou na realidade fazer uma massagem cardíaca quando percebeu que o bebê estava passando mal.

Ainda segundo o delegado, o casal já teria histórico de violência. A mãe biológica do bebê já teria registrado um boletim de ocorrência contra o casal anteriormente. E ao contrário do que foi dito antes, o pai não tinha a guarda da criança.

O laudo necroscópico que examinou a causa da morte  da criança mostrou que o bebê sofreu trauma de tórax, trauma na costela e o rompimento do fígado. Conforme o exame, as causas da morte foram choque hemorrágico, laceração hepática e trauma torácico abdominal, o que reforça a tese de espancamento apontada pelos investigadores.

Laudos também apontaram que o bebê já vinha sendo espancado em outras ocasiões. O pai e a madrasta foram presos e levados para unidades prisionais da cidade.

Damaceno que já ouviu várias testemunhas disse que deve encerrar o inquérito até a próxima sexta-feira (24). O casal foi indiciado por maus-tratos agravado por homicídio.

Jornal Midiamax