Câmeras entregaram bando que fez ‘mudança’ da casa invadida

“A união dos vizinhos foi fundamental para a gente conseguir recuperar nossas coisas”, foi assim que as vítimas de um furto no Jardim Paulista, em Campo Grande, descreveram a ação que resultou na prisão de Mazini Fujioka Silverio, de 21 anos, na madrugada desta quinta-feira (25). O rapaz e dois comparsas arrombaram uma das residências do bairro e fizeram um ‘limpa’ antes de serem flagrados nas câmeras de segurança e capturados por moradores.

No local moram um professor e um acadêmico de direito, que preferiram não se identificar. Eles contaram para a reportagem que por volta das 20h30 chegaram em casa e se depararam com a casa revirada, o portão aberto e as luzes acesas. Os moradores então perceberam que os bandidos haviam feito um ‘limpa’ na residência.

A Polícia Militar foi chamada e todos os moradores da região foram alertados sobre o crime. Os suspeitos não foram encontrados e depois que os militares conseguiram encontrar parte dos objetos furtados, todos voltaram para casa.

Mas por volta da 1 hora desta quinta-feira, uma moradora voltou a ver a ação dos bandidos. O acadêmico de direito contou que a vizinha não conseguiu dormir depois de saber do furto e já de madrugada ouviu um barulho na rua. Pelas câmeras de segurança ela percebeu um dos bandidos entrando em um barraco, construído em uma praça a menos de 50 metros do local do crime, em que parte dos objetos estavam escondidos.Vizinhos flagraram ladrões 'folgados', recuperaram objetos e prenderam um

Foi a filha e o pai da testemunha que saíram de casa de carro e perseguiram o ladrão por várias quadras, até ele ser capturado. Segundo o boletim de ocorrência, os moradores da região teriam agredido Mazini Fujioka Silverio antes da chegada a polícia.

Os moradores contaram que pelas imagens das câmeras de segurança é possível ver os suspeitos fazendo uma verdadeira mudança da casa das vítimas. Aos poucos, eles pegavam os objetos, iam até o barraco da praça, deixavam escondidos no local e voltavam para buscar mais coisas.

Preso, Mazini acabou entregando a participação de dois comparsas, chegou a levar a polícia na casa de um deles e em um segundo esconderijo, onde novos produtos furtados foram encontrados. Mesmo com buscas pela região, os dois suspeitos não foram localizados. A perícia da Polícia Civil esteve na residência já nesta manhã para recolher digitais e provas do crime.

Foram recuperados uma televisão 42 polegadas, um tablete, um kit multimídia, três frascos de perfume e uma garrafa de tequila, oito relógios, duas pulseiras, uma bicicleta, um canivete e uma câmera fotográfica digital. A polícia ainda apreendeu na casa de um dos suspeitos uma munição calibre 22.

Um celular Galaxy S7 não foi localizado e o caso foi registrado como furto qualificado com destruição ou rompimento de obstáculo e furto qualificado mediante concurso de pessoas – posse irregular de arma de fogo de uso permitido.