Polícia

Silêncio impera na escola onde menino executado em pizzaria estudava

Suspeita de que briga com colega tenha causado a morte

Midiamax Publicado em 20/06/2017, às 14h32

None

Suspeita de que briga com colega tenha causado a morte

A polícia continua investigando a morte do estudante Rafael Lopes da Rocha de 14 anos ocorrido na noite do último domingo. A principal linha de investigação continua sendo uma possível briga dentro da Escola Estadual Menodora Fialho de Figueiredo, onde impera a “lei do silêncio”

Dirigentes da escola receberam a reportagem do Midiamax, mas preferiram minimizar o fato afirmando que o estudante era pacato e não tinha nenhum problema de comportamento.

Estudantes que conheciam Rafael afirmam que ele namorava uma colega de escola e havia terminado com ela. Depois disso, teria começado uma confusão com outro garoto. Rafael morava no bairro Parque do Bosque e estudava desde o ano passado na Escola Menodora que fica na região central de Dourados.

Estava na sétima série do ensino fundamental enquanto os garotos de sua idade deveriam estar cursando o primeiro ano do ensino médio.

A MORTE

Um atirador ainda não identificado chegou numa pizzaria no bairro Parque das Nações II em Dourados e matou Rafael com seis tiros de pistola 9 milímetros e saiu andando tranquilamente.

O estudante estava com a mãe, dois tios e uma irmã de oito anos de idade na pizzaria quando chegou o atirador e começou a disparar. O adolescente foi alvejado com tiros no pescoço, peito, barriga, na perna e no braço direito’.

A vítima antes de chegar à pizzaria estava num culto evangélico com os familiares e não tinha antecedentes criminais.

Ele era considerado pelos amigos e vizinhos do Parque do Bosque onde morava como um menino bom. 

Jornal Midiamax