Polícia

Casa de suspeito de matar Kauan é incendiada pela 2ª vez

Casa fica localizada na Coophavila II

Midiamax Publicado em 25/09/2017, às 17h50

None

Casa fica localizada na Coophavila II

A casa onde o suspeito de matar e esquartejar o menino Kauan Andrade de 9 anos foi incendiada na tarde desta segunda-feira (25). Esta é a segunda vez que o imóvel localizado na Rua da Praia, no Coophavilla II é incendiada.

Vizinhos da residência disseram ao Jornal Midiamax que um homem teria saído da casa de bicicleta com um galão de gasolina assumindo o incêndio. Moradores acreditam que a casa terá de ser demolida, pois todos estão correndo risco.

No último dia 23 de julho, um incêndio, supostamente, criminoso mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros para o mesmo endereço. Na época, populares teriam ateado fogo à residência do suspeito, após ele ter sido supostamente identificado através de posts em redes sociais.

Nesta tarde, os Bombeiros utilizaram mil litros de água para o combate das chamas que inciaram na cozinha da residência e comprometeram 60% da construção.

Caso

Kauan desapareceu da casa da família, no Aero Rancho, no dia 25 de junho. O menino cuidava carros na região quando foi visto pela última vez. A família registrou boletim de ocorrência e as investigações foram realizadas pela Depca. Foram mais de 20 dias sem notícias até o último sábado (22), quando o caso foi esclarecido.

Durante as investigações do desaparecimento, um adolescente de 14 anos acabou apreendido por envolvimento no crime. Ele relatou à polícia que atraiu Kauan na noite do dia 25 de junho para a casa. A criança teria falecido enquanto era violentada.

Casa de suspeito de matar Kauan é incendiada pela 2ª vez

O homem suspeito de ser pedófilo foi preso no dia 21 de julho, no começo da tarde, pouco antes do início das buscas pelo corpo do menino. De acordo com o delegado Paulo Sérgio Lauretto, o suspeito nega as acusações, mas com o depoimento do adolescente e os fatos já confirmados pela perícia, não há dúvidas de que a vítima era Kauan.

Sobre o local onde o corpo foi deixado, segundo a autoridade policial, o adolescente apresentou contradição. Ele afirma que entrou no carro do suspeito, com o corpo no porta-malas, mas que não desceu do veículo para jogar o menino. O criminoso teria ido sozinho às margens do córrego e permanecido por aproximadamente 30 minutos.

Uma amiga da família de Kauan contou a equipe do Midiamax que ele era ‘fissurado’ por pipas e que suspeita que isso pode ter sido usado pelo suspeito para atrair o menino. “Ele colecionava pipas, chegava a esconder a pipa em cima da casa para os irmãos não estragarem”. O homem já teve a prisão preventiva decretada por estupro de vulnerável e exploração sexual.

(Matéria editada às 16h10 para inclusão de informações)

Jornal Midiamax