Após PM matar jovem, casa noturna terá festa de Dia dos Namorados

O policial responderá em liberdade por homicídio doloso
| 13/06/2017
- 04:39
Após PM matar jovem, casa noturna terá festa de Dia dos Namorados

O policial responderá em liberdade por homicídio doloso

Quase dois dias após o adolescente Luiz da Silva Souza Júnior, 17, ter sido morto por um policial militar, a casa de eventos Chácara da República, na Rua da Divisão, no Monte Alegre, terá uma festa em especial ao Dia dos Namorados nesta segunda-feira (12).Após PM matar jovem, casa noturna terá festa de Dia dos Namorados

 

De acordo com um dos oranizadores, que preferiu não se identificar, o evento já estava marcado, o fato aconteceu do lado de fora e a casa possui todos os documentos necessários para o funcionamento.

“Não aconteceu lá dentro da chácara, aconteceu lá fora, o evento já estava marcado e a casa está toda documentada”, disse.

Caso

 

Conforme apurado pela reportagem, a Polícia Civil foi acionada e no local obteve informações de que o primeiro disparo ocorreu durante uma confusão no local. Na tentativa de espalhar a multidão, o policial militar, identificado como Cabo Fernandes teria atirado para o alto, porém a ação provocou mais tumulto no local.

Uma testemunha de 17 anos disse à polícia que os participantes da festividade passaram a correr em direção à saída, momento em que o policial fez o segundo disparo, desta vez em direção ao público.

Luiz foi atingido no pescoço e morreu na esquina das ruas da Divisão com Eva Peron. O projétil foi localizado embaixo do corpo. O portão do Clube já estava fechado e com a luz apagada quando a Polícia Civil chegou e nenhum proprietário foi encontrado. O corpo estava ao lado de fora do estabelecimento.

 

E ainda não há informações de câmeras de monitoramento na região. Júnior era o caçula de três irmãos e não portava documentos no momento do fato, o reconhecimento foi feito pela irmã. Abalada e com a saúde debilitada, a mãe da vítima passa por hemodiálise há cinco anos e prefere manter silêncio. O fato será investigado como homicídio doloso. A polícia também irá investigar se o PM trabalhava como segurança no local.

Veja também

Conforme o Corpo de Bombeiros, todos os procedimentos de reanimação foram feitos por 1h17 minutos, mas o convidado do casamento não resistiu

Últimas notícias