Delegado diz que ainda é cedo para saber se existe ligação

A 3ª Delegacia de Polícia Civil de investiga se existe ligação entre as mortes de quatro detento nos últimos 20 dias dentro do Presídio de Segurança de Campo Grande com a intoxicação de seis agentes penitenciários na manhã desta quarta-feira dentro do estabelecimento penal localizado no Jardim Noroeste em Campo Grande. 

Nesta tarde Iverson Ricardo Lopes Pinto, de 24 anos, foi encontrado morto dentro do presídio. Esta é quarta morte registrada em menos de 20 dias. Iverson, conhecido como Pinguim, era condenado há 6 anos de prisão por tráfico de drogas e roubo. Diferente do que foi informado anterior, o corpo dele foi encontrado no solário e não dentro de uma cela no estabelecimento penal.

De acordo com informações do delegado titular da 3ª DP, Fabiano Nagata, ao corpo foi localizado por agentes penitenciários logo após o banho de sol. Depois de recolher os demais presos para sua devida celas o agentes sentiram a falta de Iverson e ao fazer buscas encontram-no já sem vida em cima de um colchão.

O delegado destaca que o detento não tinha histórico de doenças e era considerado “um preso saudável”. O corpo não apresentava lesões ou marcas aparentes. A perícia e a Polícia Civil realizaram os procedimentos de praxe no local e o corpo será encaminhado para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

Indagado a respeito da mortes anteriores de detentos e a intoxicação dos seis agentes penitenciários nesta manhã o delegado explicou que ainda é cedo para fazer qualquer ligação com os casos, mas que a delegacia está investigando.