Polícia

Operação da Receita e Polícia Federal vai combater tráfico de cigarro

Operação deve durar pelo menos 30 dias

Ludyney Moura Publicado em 19/01/2016, às 14h18

None
cigarros_apreendidos.jpg

Operação deve durar pelo menos 30 dias

Uma operação conjunta da Polícia Federal e da Receita Federal, deflagrada ontem, segunda-feira (18), no município de Mundo Novo, no extremo sul do Estado, tenta combater o tráfico de cigarros na fronteira do Brasil com o Paraguai. A operação recebeu o nome de ‘Parajás’.

De acordo com a Receita Federal, a intenção é reprimir e combater organizações criminosas que agem na região da fronteira, e que recentemente planejaram um atentado contra servidores do órgão na cidade de Mundo Novo.

Agentes da Polícia Federal e da própria Receita, oriundos inclusive de outros Estados da Federação, vão executar rondas, patrulhas e barreiras fixas durante os próximos  30 dias,  podendo  estender-se  por  tempo  indeterminado. Homens da PRF (Polícia  Rodoviária  Federal)  também  darão suporte à operação.

A operação foi deflagrada depois que, na semana passada, criminosos dispararam contra servidores do posto da Receita Federal em Mundo Novo. Munições de fuzis foram encontradas entre os projeteis. Apesar da gravidade do ato, nenhum servidor foi atingido.

O atentando aconteceu depois Ed uma apreensão  de  carga  milionária  de  cigarros  contrabandeados.  A  carga, aproximadamente  1.250  caixas  de cigarros estrangeiros, foi avaliada em R$ 3 milhões.  O   veículo  transportador,  com  fortes  indícios  de adulteração, foi avaliado em R$ 300 mil.

O  nome  da operação remete à mitologia ameríndia Tupi-Guarani, ‘Parajás’ são figuras que representam a honra, o bem, e a justiça.

Jornal Midiamax