Até as vítimas do assalto estariam trabalhando 

Depois do roubo de quatro malotes da agência do Banco do Brasil localizada na Avenida Afonso Pena, na manhã desta terça-feira (17), os serviços de atendimento a população retornaram a normalidade e provocaram a revolta entre os funcionários. O banco retomou os atendimentos das 14h30 e fechou às 16 horas, conforme o horário normal de funcionamento. 

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande e Região, Edvaldo Barros, durante a manhã foi combinado com a Superintendente do Banco do Brasil que os funcionários seriam liberados e os serviços suspensos até quarta-feira (18). Mas em uma conversa com os trabalhadores, foi decidido que o banco voltaria a funcionar.

Nas palavras do presidente, até os próprios funcionários ameaçados e feitos refém durante a ação dos bandidos continuou a trabalhar. Em virtude a situação, integrantes do sindicato se reuniram em um ato em frente à unidade para “mostrar a preocupação com o bem estar dos funcionários”.

Para o Secretário jurídico do sindicato, Orlando de Almeida Filho, a intenção foi levar a solidariedade aos colegas “A agência não deveria ser aberta, os próprios trabalhadores denunciaram que o banco resolveu abrir o atendimento para a população”, reforçou.

Edvaldo ainda reclamou para a equipe do Jornal Midiamax da falta de investimento do Governo do Estado na segurança nas agências de todo Mato Grosso do Sul. “Espero que a polícia consiga pegar a dupla, se não isso pode incentivar outros assaltos”, afirmou o presidente.

O caso

O roubo aconteceu nesta manhã, por volta das 10h. Segundo delegado, os dois homens chegaram ao local vestidos com ternos e portando crachás. “A ação toda durou de 10 a 15 minutos. Quando a dupla chegou no banco não tinha muita gente trabalhando, apenas três agentes bancários e um vigilante. Eles passaram pela porta, renderam os funcionários e trancaram eles em uma sala”, disse.

Edilson dos Santos ainda afirmou que a dupla estava com dois revólveres, mas não soube informar porque a porta giratória não detectou. “Os dois já sabiam onde estava o cofre do banco, a princípio já tinham a informação que hoje iria chegar quatro malotes com dinheiro. Os malotes ainda estavam na frente do cofre”, declarou.

Testemunharam disseram que a dupla tinha fugido a pé. Os policiais seguem procurando os suspeitos. Ainda não foi divulgada a quantia levada.