Ladrões de terno atacaram no centro de Campo Grande

O detector de metal da porta giratória da agência do Banco do Brasil roubada na manhã desta terça-feira (17) estava desligado e isso pode ter facilitado a entrada da dupla armada no local. Os dois homens que se passaram por funcionários não tiveram problemas aos atravessar a porta com detector.

Por meio de sua superintendência estadual, o banco informou que ainda não tem conhecimento do motivo do equipamento não estar funcionando no momento da ação dos assaltantes, mas que está investigando.

O delegado titular do Garras, Edilson dos Santos, comentou nesta manhã que há indícios que os dois homens tinham informações privilegiadas já que eles entraram com crachá e terno na agência, renderam quatro funcionários e foram direto ao cofre, onde estavam os quatro malotes.

“Os dois já sabiam onde estava o cofre do banco, a princípio já tinham a informação que hoje iria chegar quatro malotes com dinheiro. Os malotes ainda estavam na frente do cofre”, declarou. O valor levado pelos assaltantes não foi divulgado e o banco destacou que prefere não comentar sobre isso.

Sobre o caso

O roubo aconteceu nesta manhã, por volta das 10h. Segundo delegado, os dois homens chegaram ao local vestidos com ternos e portando crachás. “A ação toda durou de 10 a 15 minutos. Quando a dupla chegou no banco não tinha muita gente trabalhando, apenas três agentes bancários e um vigilante. Eles passaram pela porta, renderam os funcionários e trancaram eles em uma sala”, disse.

Edilson dos Santos ainda afirmou que a dupla estava com dois revólveres, mas não soube informar porque a porta giratória não detectou. “Os dois já sabiam onde estava o cofre do banco, a princípio já tinham a informação que hoje iria chegar quatro malotes com dinheiro. Os malotes ainda estavam na frente do cofre”, declarou.

Testemunharam disseram que a dupla tinha fugido a pé. Os policiais seguem procurando os suspeitos. Ainda não foi divulgada a quantia levada.