Polícia

Quadrilha da região do Santo Amaro é responsável por assalto em construtora

Dois foram presos e três seguem foragidos; Eles também são apontados por um roubo a um restaurante

Midiamax Publicado em 14/01/2015, às 14h03

None
img-20150114-wa0025.jpg

Dois foram presos e três seguem foragidos; Eles também são apontados por um roubo a um restaurante

Uma quadrilha que mora na região do Bairro Santo Amaro, área oeste de Campo Grande, é apontada como a responsável por um assalto a uma construtora na Vila Nasser, região norte da Capital. O crime teria ocorrido no dia 5, por volta das 15 horas.

De acordo com as vítimas, três homens invadiram o local e anunciaram o assalto. A data era marcada como dia de pagamento e por conta disso, havia dinheiro na empresa. Do local, os criminosos levaram o cofre com o montante de R$ 61 mil.

O caso foi encaminhado para a Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furto), aos cuidados do delegado Ivair Luiz Campos. A investigação levou até quatro pessoas que já tem históricos de roubos.

Foram presos Adinam Helder Bahia Evangelista, de 27 anos, e Dener Luis Cordoba Lourenço, de 19 anos. Além disso, estão foragidos Klelber Araujo Guimarães e Weldel Goulart Silva de Souza, o “Zóio” e “Grandão”, que foi apontado como o chefe do grupo. Além disso, de um homem apenas identificado como “gordinho”.

De acordo com o delegado, no dia do assalto, Kleber, Adinam e o único foragido que não teve o nome divulgado invadiram o local que é localizado na Tamandaré. Já Willian permaneceu no carro a espera dos comparsas. Eles estavam em um Saveiro Cross, branca, que fugiram em direção ao Bairro Zé Pereira, área oeste.

Eles chegaram a ser perseguidos, mas conseguiram escapar. Foi constatada que a placa do veículo, a princípio de Campo Grande (MS), era clonada. O automóvel foi roubado em Presidente Prudente, São Paulo, no dia 31 de maio do ano passado.

Com a prisão, Kleber confessou o crime e delatou os demais. Ele contou que o montante foi repartido e que cada um ficou com R$ 14 mil, exceto o chefe que ficou com R$ 19 mil. “Ele iria passar parte do dinheiro a um informante que havia revelado a rotina da empresa em dia de pagamento”, explica o delegado responsável pelo caso.

Klelber contou que chegou a alugar a arma de fogo para o grupo por R$ 600. A parte que ficou com ele, o suspeito comprou um Palio por R$ 6 mil, pagou alugueis atrasados, comprou roupas e alimentos, e ficou com R$ 470.

O delegado relata que há indícios de que Adinam e Willian teriam participado de um assalto a um restaurante na Vila Célia, região sul de Campo Grande, no mês de setembro do ano passado. O inquérito deve ser concluído esta semana.

Jornal Midiamax