Quatro pessoas foram indiciadas por conta de atestados falsos, em

A Polícia Civil vai aguardar o laudo pericial feito no celular de Jhonathan da Silva Souza, de 24 anos, suspeito de falsificar e vender atestados médicos em Campo Grande, para identificar possíveis compradores.

De acordo com a delegada Ariene Nazareth Murad de Souza Cury, da Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Defraudações, Falsificações) além das três pessoas que adquiriram o documento falsificado e já foram ouvidas, após o laudo, a polícia poderá chegar a identidade de outros compradores. A expectativa é de que o laudo fique pronto no próximo mês.

Venda de atestados

Jhonathan vendia atestados médicos falsos por preços entre R$ 20 e R$ 45. Ele costumava comercializar os documentos por meio do aplicativo WhatsApp ou por mensagem de celular. As investigações começaram em março deste ano, quando duas empresas desconfiaram dos atestados médicos apresentados pelos funcionários. Eles procuraram o médico para saber se o atestado era verdadeiro e o profissional verificou que estava tendo o carimbo e assinatura falsificados em atestados médicos.

O rapaz começou a falsificar os documentos há três anos. Ele começou as falsificações fazendo um documento para uso próprio e obteve uma matriz da rede pública em branco, comprando de um particular.