Polícia

Cozinheiro matou colega por uma asa de frango, aponta investigação

"Cobrinha” foi apresentado hoje em delegacia da Capital

Gerciane Alves Publicado em 05/11/2015, às 20h28

None
img-20151105-wa0114.jpg

"Cobrinha” foi apresentado hoje em delegacia da Capital

Roberto Correa Lopes, conhecido como ‘Cobrinha’, foi apresentado na tarde desta quinta-feira (5) na 4ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande. Roberto é suspeito de matar Irineu Domingues, de 46 anos, por causa de uma asa de frango, na noite de domingo (1º) na Fazenda Savana, localizada no Km 191 da BR-163 em Campo Grande. 

De acordo com a delegada Célia Maria Bezerra da Silva, ‘Cobrinha’ foi contratado como cozinheiro da fazenda. Na sexta-feira (30) que antecedeu o crime, às 5 horas, a comida estava pronta e os peões da fazenda estavam arrumando as marmitas para levar para o campo, onde trabalhavam no plantio de arroz.

Antes de saírem, Antônio Valmir Dopiatti, conhecido como ‘Gauchinho’, teria pegado uma asa de frango a mais que o destinado a cada trabalhador. O fato irritou ‘Cobrinha’, que foi tirar satisfação com ele. Os dois desentenderam-se, mas depois de discutirem o "Gauchinho’ foi trabalhar. No sábado (31), os peões teriam voltado para a sede da fazenda e por causa da chuva não trabalharam.

De acordo com uma testemunha, Paulo Lopes, de 72 anos, os peões ingeriram bebida alcoólica durante todo o sábado. Por volta da meia-noite, quando todos já estavam dormindo, a testemunha afirma ter ouvido um barulho e diz ter levantado para ver o que era. Ao sair, segundo o relato, encontrou a televisão no volume máximo e viu um rastro de sangue no chão.

Paulo contou que pegou uma lanterna e resolveu seguir o rastro de sangue e acabou encontrando Irineu Domingues ferido e sangrando muito. Ele diz que ainda viu ‘Cobrinha’ fugindo da fazenda. Irineu acabou morrendo por hemorragia. Os peões cobriram o corpo e a polícia e o dono da propriedade só foi avisada sobre o que havia  acontecido no dia seguinte. Além de a sede da fazenda ser distante, no local não há telefones.

Na manhã de domingo (1º), segundo a testemunha, ‘Cobrinha’ ainda voltou à sede da fazenda para pegar seus pertences, deixou uma faca em cima da mesa e fugiu novamente. De acordo com a delegada Célia, os funcionários da fazenda não o impediram de sair porque teria ficado com medo.

Na noite de quarta-feira (4) equipes do SIG/DPC (Setor de Investigação Geral da Polícia Civil) receberam uma denúncia de que o cozinheiro estava em Terenos, cidade a 28 quilômetros de Campo Grande. Uma equipe chefiada pelo delegado Hoffmann D'avila, da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga com a ajuda da polícia local fizeram rondas e encontraram ‘Cobrinha’ andando na rua em visível estado de embriaguez.

Ainda de acordo com a delegada Célia, no momento da abordagem ‘Cobrinha’ confessou o crime e foi encaminhado para a 4ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande onde foi interrogado pela delegada. Segundo depoimento dele à polícia, ele teria se desentendido com ‘Gauchinho’, mas Irineu acabou comprando a briga. ‘

‘Cobrinha’ contou que Irineu e ‘Gauchinho’ eram amigos e dividiam o mesmo quarto e por isso a vítima acabou “tomando as dores” do amigo. Depois da confusão com a asa de frango, os dois teriam agredido ‘Cobrinha’, que depois de se livrar da “chave de braço” teria ido até o quarto, pegado um facão que costuma carregar na cintura e ferido Irineu. O corte foi pequeno, mas acertou uma veia principal, provocando a hemorragia.

‘Gauchinho’ negou a briga. Ele também foi ouvido pela delegada e afirmou que o amigo foi morto à toa. ‘Cobrinha’ tem passagem na polícia por ameaça, violência doméstica, vias de fato e injúria. Ele também foi vítima de uma tentativa de homicídio em novembro do ano passado. ‘Cobrinha’ será indiciado por homicídio qualificado por motivo fútil.

Jornal Midiamax