Crime causou comoção entre os demais presos da cadeia e agressor corre risco de violência

Odilo Antônio Vagner, de 33 anos, que na noite de domingo (24) assassinou uma criança de dois anos, no Assentamento Santa Lúcia, em Sidrolândia, a 70 quilômetros de Campo Grande, continua preso na cadeia da cidade mas já teve a sua transferência solicitada para a Capital, podendo ser para a cela de uma das delegacias ou para o presídio.

Segundo o delegado titular de Sidrolândia, Carlos Eduardo Milan, o caso gerou comoção na cidade e também na cadeia, onde os internos não aceitam este tipo de crime. “Ele está em uma cela isolada, mas os demais presos têm informações sobre o crime que ele praticou e não se conformam. Para evitar problemas maiores solicitamos a sua remoção para Campo Grande e estamos aguardando a definição”, afirmou o delegado.

De acordo com as informações colhidas no assentamento, Odilo e a mãe da criança, Elcinda Ferreira Cabreira haviam se conhecido há  três meses no restaurante onde ela trabalha e iniciaram um relacionamento.

Na noite de domingo, ele afirmou que iria dormir e ela ficou na sala. Pouco tempo depois ela ouviu ruídos que vinham do quarto e ao entrar viu que ele segurava a criança pelos pés, batendo com a cabeça dela no chão. Teriam sido duas pancadas e assim que ele avistou a mãe, ele teria atirado a menina a seus pés.

A mãe ainda tentou socorrer a criança contando com a ajuda de vizinhos do próprio assentamento, mas ela já estava morta. Os exames necroscópicos foram feitos em Sidrolândia mesmo e ficou comprovada a violência. Odilo foi encontrado pouco tempo depois e preso em flagrante, foi indiciado por homicídio.